Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Economista e ex-ministro Reis Velloso morre aos 87 anos

Ele foi chefe da pasta do Planejamento entre 1969 e 1979, nos governos militares de Emílio Médici e Ernesto Geisel

Morreu na manhã desta terça-feira, 19, o ex-ministro do Planejamento João Paulo dos Reis Velloso, aos 87 anos. Ele faleceu em sua casa, no bairro de Ipanema, Zona Sul do Rio de Janeiro.

Natural do Piauí e radicado no Rio, Reis Velloso serviu a diferentes presidentes desde o início da ditadura militar, em 1964, passando pelos governos Humberto Castelo Branco, Costa e Silva, Emílio Médici e Ernesto Geisel.

Como ministro, participou do período conhecido como milagre econômico, no fim dos anos de 1960 e início dos 1970, quando a economia brasileira registrou elevadas taxas de crescimento, e enfrentou a crise do petróleo. Reis Velloso ocupou a pasta entre 1969 e 1979, nos governos militares de Médici e Geisel.

“Foi repentino. Ele estava sentado, virou a cabeça para o lado e morreu”, relatou o consultor econômico Raul Velloso, irmão do ex-ministro. A família aguarda o laudo médico para saber a causa da morte do economista. O ex-ministro tinha diversos problemas de saúde, que se agravaram nos últimos anos, após uma cirurgia no coração.

Plano de desenvolvimento

À frente da pasta do Planejamento, Reis Velloso coordenou as duas edições do Plano Nacional de Desenvolvimento (PND). O I PND foi lançado em 1972, e o II PND, em 1974.

O economista deixou o ministério em 1979. O novo presidente, o general João Batista de Figueiredo, indicaria o ex-ministro da Fazenda Mário Henrique Simonsen para o Planejamento.

Essa saída marcou o fim da carreira política de Reis Velloso. Seu nome ainda seria aventado como candidato ao governo do Piauí, mas o ex-ministro optou por assumir a presidência, ainda em 1980, do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec), ligado à Bolsa de Valores do Rio.

De lá para cá, Reis Velloso integrou conselhos de administração de diversas estatais, mas atuou principalmente no setor privado. Em 1988, organizou o I Fórum Nacional, com o tema “Ideias para a modernização do Brasil”. O evento reuniu economistas, cientistas sociais e políticos e líderes sindicais e empresariais para discutir temas sociais e econômicos da atualidade. Com a criação do Instituto Nacional de Altos Estudos (Inae), o Fórum Nacional se tornaria anual a partir da década de 90. Ele também foi o fundador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), 

(Com Estadão Conteúdo e Agência Brasil)