Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Economias emergentes atrasam crescimento global, diz OCDE

Saída de capital prejudicará expansão nos mercados em desenvolvimento, enquanto para as economias avançadas a expectativa é de recuperação gradual

Por Da Redação
11 mar 2014, 11h59

A desaceleração da atividade em grandes mercados emergentes pode implicar em menor crescimento para a economia global a curto prazo, apesar de as economias desenvolvidas estarem em plena recuperação. Segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) comentou nesta terça-feira, o crescimento global será, na melhor das hipóteses, moderado. Segundo a organização, o inverno excepcionalmente rigoroso na América do Norte e o aumento no imposto sobre vendas no Japão também estão afetando o ritmo de recuperação do mundo.

Diante deste cenário, a OCDE pediu que o Banco Central Europeu (BCE) e o banco central do Japão mantivessem, ou até mesmo ampliassem, seus estímulos monetários, embora tenha afirmado que o Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) está certo em iniciar a redução do seu programa de compra de títulos, que estimulam sua economia.

“A recuperação gradual nas economias avançadas é encorajadora, mesmo que fatores temporários tenham pressionado para baixo as taxas de crescimento nos primeiros meses deste ano, enquanto que a desaceleração nas economias emergentes deverá pesar sobre o crescimento global”, disse o economista-chefe interino da OCDE, Rintaro Tamaki, em comunicado.

Leia mais:

OCDE: reformas perdem força após a crise financeira global

Crescimento se fortalece na maioria das economias avançadas, aponta OCDE

Continua após a publicidade

OCDE vê melhora na economia mundial, inclusive Brasil

De acordo com a OCDE, o crescimento das principais economias avançadas na primeira metade de 2014 será mais lento na comparação com o segundo semestre do ano anterior, embora deva ficar bem acima da fraca expansão registrada entre o final de 2012 e o início de 2013.

“Dado que as economias emergentes agora respondem por mais da metade da economia mundial, o contínuo desempenho econômico abaixo da média em várias das principais economias emergentes deve significar que o crescimento global continuará apenas moderado no curto prazo”, informou.

Estimativas da organização apontam que o crescimento nos Estados Unidos irá desacelerar para 1,7% no primeiro trimestre de 2014 ante os últimos três meses do ano anterior. Na mesma base de comparação, a economia norte-americana avançou 2,4% no quarto trimestre, pressionada por condições climáticas excepcionalmente ruins.

A expectativa em relação a alguns mercados emergentes também é de retração, na medida em que países como Índia, África do Sul e Turquia, que tiveram que elevar suas taxas de juros para conter o fluxo de saída de capital, enquanto que dados mais fracos na CHina sinalizam que o crescimento na segunda maior economia do mundo deve perder fôlego este ano.

Continua após a publicidade

Leia também:

Mercado reduz projeção de crescimento e eleva a de inflação

China define meta de crescimento de 7,5% para 2014

PIB da zona do euro sobe 0,3% no 4º trimestre

(com agência Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.