Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Economia do Japão encolhe mais que o previsto no fim de 2011

A baixa de 0,6% no último trimestre sacramentou a queda no PIB do ano passado, que encolheu 0,9%

Por Da Redação 13 fev 2012, 07h13

A economia do Japão encolheu muito mais que o esperado no quarto trimestre de 2011, com as enchentes na Tailândia, o iene forte e a demanda fraca prejudicando as exportações e gerando dúvida de que a atividade possa se recuperar rapidamente.

A produção econômica caiu 0,9% em 2011 como um todo, na primeira retração anual desde a crise financeira mundial, em 2009. Isso trouxe prejuízos pesados para algumas das maiores exportadoras do Japão, como a Sony.

O primeiro-ministro Yoshihiko Noda ainda precisa persuadir a população de que a economia está firme o bastante para que o imposto sobre vendas seja dobrado sem prolongar a estagnação que assombra o país há duas décadas.

Mas os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados nesta segunda-feira mostraram que a produção econômica caiu 0,6% nos últimos três meses do ano passado. Isso não ajuda a causa defendida pelo premiê e pode significar pressão política maior para que o banco central use seu poder limitado de política monetária para estimular a economia.

“As autoridades estão inclinadas a aumentar a pressão sobre o BC para relaxar ainda mais a política e elevar a inflação para ir adiante com os aumentos do imposto sobre vendas”, disse O economista-chefe do Nomura Securities, Takahide Kiuchi.

Continua após a publicidade

A queda do PIB no quarto trimestre foi o dobro da esperada por analistas e marca a quarta contração dos últimos cinco trimestres, encerrando o ano em que o Japão foi abalado por um terremoto, um tsunami e o pior acidente de energia nuclear do mundo desde Chernobyl, em 1986.

“Esta é uma contração induzida pela demanda externa. As exportações caíram muito por causa do choque triplo da Europa, do iene forte e das inundações na Tailândia”, disse o economista sênior da Sumitomo Mitsui Asset Management Co, Hiroaki Muto, em Tóquio.

Além disso, a demanda doméstica contribuiu com apenas 0,1 ponto percentual ao PIB entre outubro e dezembro, contra 0,9 ponto no terceiro trimestre, um sinal preocupante de lentidão no ímpeto econômico da reconstrução após o terremoto que devastou a costa nordeste.

O Japão tem tido dificuldade para sustentar o crescimento econômico desde o estouro de uma bolha imobiliária no início dos anos 1990, desencadeando anos de deflação – que persiste até hoje – e um enorme endividamento do governo por seus estímulos econômicos.

O premiê Noda espera conter o aumento da dívida (que agora é duas vezes o tamanho da economia) ao dobrar o imposto nacional de 5 por cento sobre vendas até 2015, mas ainda precisa vencer a oposição combativa e a população cética.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês