Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dow Jones fecha em alta de 0,81%

Nova York, 18 jul (EFE).- O índice Dow Jones Industrial da Bolsa de Nova York fechou nesta quarta-feira em alta de 0,81%, aos 12.908,7 pontos, impulsionado pelo setor tecnológico e os dados do mercado imobiliário dos EUA e apesar das previsões pessimistas do Fed.

Já o seletivo S&P 500 subiu 0,67%, até os 1.372,78 pontos, e o índice composto da bolsa eletrônica Nasdaq teve alta de 1,12%, para 2.942,6 pontos.

O pregão de Wall Street, que começou sem um rumo definido, terminou em alta sustentado pelo sólido avanço de 1,87% das companhias tecnológicas, que subiram graças à alta de 3,27% do fabricante de microprocessadores Intel.

A Intel liderou as altas do Dow Jones um dia após anunciar que no segundo trimestre do ano ganhou US$ 2,827 bilhões, valor 4,29% menor do que no mesmo período do ano passado mas acima do previsto.

Os números verdes foram determinados pelo aumento do ritmo de construção de imóveis novos nos Estados Unidos em junho, que chegou ao seu nível mais alto desde outubro de 2008, um dado que ajudou a deixar em um segundo plano as conclusões negativas do Fed devido à crise europeia.

Além disso, os investidores aguardaram o segundo dia de pronunciamento do presidente do Fed, Ben Bernanke, que voltou a deixar a porta aberta para mais estímulos se a situação econômica piorar.

Apesar do impulso da alta da Intel, os lucros do Dow Jones foram limitados pela forte queda de 4,92% do Bank of America, apesar da instituição ter anunciado que no primeiro semestre do ano ganhou US$ 2,426 bilhões, frente às perdas de US$ 7,388 bilhões no mesmo período de 2011.

Outros destaques foram as altas das tecnológicas Cisco (2,9%), Microsoft (2,66%), HP (2,28%) e IBM (2,5%), que apresentará seus resultados após o fechamento da sessão, assim como a American Express (-0,66%).

Em outros mercados, o petróleo do Texas subiu US$ 89,87 por barril, o ouro caiu para US$ 1.570,8 a onça, o dólar subiu em relação ao euro (cotado a US$ 1,2280) e a rentabilidade da dívida pública americano a dez anos caia para 1,49%. EFE