Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Dólar volta aos R$ 2,65 após indicação de cautela do Fed

Banco central dos EUA acalmou investidores ao afirmar, em comunicado, que será "paciente" na elevação dos juros no ano que vem

Por Da Redação 18 dez 2014, 16h56

O dólar fechou em queda de 1,73% por cento nesta quinta-feira, voltando a 2,65 reais, após o Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos, afirmar, em comunicado, que adotará uma postura “paciente” ao elevar juros no ano que vem. “Foi um comunicado bom para todos os lados: foi positivo sobre a economia (dos EUA), mas foi cauteloso em relação à política monetária”, disse o operador da corretora Intercam Glauber Romano.

Juros mais altos nos EUA poderiam atrair para a maior economia do mundo recursos aplicados em outros países, como o Brasil. Nesse contexto, o dólar também recuava ante moedas de países como Chile e Colômbia.

O bom humor no mercado vem após uma semana marcada por intensa aversão ao risco, em meio à queda dos preços do petróleo e à disparada do dólar sobre o rublo. Nesta sessão, a divisa dos EUA voltava a subir contra a moeda russa, já que os investidores não encontraram no discurso do presidente Vladimir Putin medidas concretas para enfrentar a crise cambial.

No cenário doméstico, investidores seguem aguardando detalhes das medidas que serão adotadas pela nova equipe econômica, além de como será a extensão do programa de intervenções diárias do Banco Central no câmbio em 2015. O presidente do BC, Alexandre Tombini, já disse que a ração diária será estendida com volumes equivalentes a entre 50 milhões e 200 milhões de dólares por dia, mas não deu mais detalhes.

Leia mais:

Rússia adota medidas para conter desvalorização do rublo

Continua após a publicidade

Crise na Rússia: o que está em jogo e como o Brasil pode ser afetado

Dólar fecha a R$ 2,73 – maior cotação em nove anos

Bolsa – No mercado de ações, de acordo com dados preliminares, o Ibovespa encerrou em queda 0,57%, pressionado pela queda dos papéis da Petrobras e das ações de bancos, como Itaú e Bradesco.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade