Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Dólar turismo é vendido por R$ 3,79 em casas de câmbio

Especialistas aconselham a compra fracionada da moeda para reduzir perdas

Por Gilmara Santos Atualizado em 2 Maio 2018, 19h32 - Publicado em 2 Maio 2018, 18h09

Os turistas que têm viagem marcada para o exterior e ainda não compraram dólares vão ter que preparar o bolso, já que a moeda americana segue uma trajetória de alta. O dólar comercial fechou o dia ontem em 3,54 reais, o turismo era vendido por 3,75 reais nas casas de câmbio – sobre esse valor incide mais 1,10% de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Considerando o imposto, a moeda é encontrada por 3,79 reais.

“Se a pessoa está com viagem programada para os próximos dias, não há muito que fazer. Mas se tem um pouco mais de tempo, com viagem para as férias de julho ou dezembro, o ideal é fracionar a compra para reduzir as perdas”, sugere o professor Joelson Sampaio, da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV EESP).

De acordo com especialistas, os viajantes devem fazer compras semanais ou mensais e anotar os valores que estão pagando. “Quando encontrar cotação menor que a média, pode até comprar um pouco mais. O fato é que, adquirindo em pequenas quantidades, é possível obter um valor interessante no total”, afirma Ricardo Rocha, professor de finanças do Insper.

Para ele, a moeda não voltará ao patamar de 3,30 reais ou 3,40 reais tão cedo. “Acredito que o dólar comercial ficará entre 3,50 reais e 3,70 reais nos próximos meses”, considera o professor do Insper.

Continua após a publicidade

No cenário externo, a moeda é pressionada pela expectativa de novas altas na taxa de juros americana. Por aqui, a indefinição em relação às eleições tem peso na cotação da moeda.

“Pelo que vemos, até a eleição não terá refresco, mesmo que os problemas no cenário externo, como juros americanos e a disputa comercial entre China e Estados Unidos, se resolvam”, diz o gerente de câmbio da Treviso, Reginaldo Galhardo.

Para o analista-chefe da Rico Investimentos, Roberto Indech, para quem está com viagem marcada há, de fato, motivos para se preocupar. “Não acreditávamos que o dólar comercial chegaria tão rápido a 3,50 reais”, diz o analista. “Mas o turista não pode ficar apavorado por conta deste aumento, na prática isso vai significar que terá menos recursos para gastar, mas isso não deve ser motivo para cancelar uma viagem”, aconselha.

Os especialistas alertam para o fato de que ainda que é necessário cautela no uso do cartão de crédito no exterior, já que não se sabe ao certo qual será a cotação da moeda no fechamento da fatura. Em relação aos cartões pré-pagos, eles afirmam que pode ser uma boa alternativa do ponto de vista de segurança, mas é necessário atenção porque o IOF, neste caso, é de 6,38%.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês