Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dólar sobe 0,34% e fecha valendo R$ 1,7550

Por Silvana Rocha

São Paulo – O dólar no mercado à vista ampliou a volatilidade durante a sessão e fechou em alta, embora nas cotações mínimas do dia. Após acumular queda de 1,02% nas duas sessões anteriores, o dólar no balcão terminou com ganho de 0,34%, a R$ 1,7550, depois de atingir máxima pela manhã de R$ 1,7670 (+1,03%). Na BM&F, o dólar pronto encerrou no piso, com ganho de 0,24%, cotado a R$ 1,7573. O vaivém da moeda favoreceu arbitragens de dólar à vista com futuro e também operações de day trade, que reforçaram o volume de negócios.

Segundo operadores de câmbio consultados, o fluxo cambial foi negativo hoje e contribuiu para a subida do dólar juntamente com a retomada de preocupações com um possível default da Grécia. A desaceleração dos ganhos da moeda norte-americana à tarde refletiu um movimento natural de mercado, após as cotações subirem mais de 1% na primeira parte da sessão, afirmaram.

Isso não significa que os agentes financeiros tenham relaxado. Ao contrário, disse um profissional de um banco: “A cautela permanece em relação à crise na zona do euro, sobretudo o impasse na reestruturação da dívida da Grécia. O mercado também está ciente do aviso do Ministério da Fazenda de que não vai permitir a valorização do real”. Contudo, afirmou a mesma fonte, os agentes financeiros acabaram devolvendo uma parte das pesadas posições compradas que estão carregando. Mais cedo, o Banco Central informou que neste mês até o dia 20 os bancos estão comprados em dólar no mercado à vista em US$ 4,840 bilhões, ante uma posição vendida no fim de dezembro de US$ 1,583 bilhão.

No mercado externo, as negociações entre o governo grego e os credores privados emperraram, ressurgindo os temores de um default da Grécia. O comissário para Assuntos Econômicos e Monetários da União Europeia, Olli Rehn, disse hoje que os partidos políticos da Grécia precisam fornecer compromissos claros, antes de um segundo pacote de ajuda ser oferecido ao país. Segundo ele, os líderes políticos gregos precisarão de mais uma ou duas semanas para discutir o assunto. A agência Standard & Poor’s disse também que a Grécia deve declarar um calote e ser rebaixada para a categoria “selective default” ainda este semestre.