Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Dólar registra sétimo pregão seguido de queda e fecha a R$ 4,83

Moeda americana teve ligeiro recuo em relação ao dia anterior; no intradia, chegou a atingir os 4,76 reais

Por Luana Zanobia Atualizado em 24 mar 2022, 20h24 - Publicado em 24 mar 2022, 17h32

O dólar registra o sétimo pregão consecutivo de queda e encerra pelo quarto dia consecutivo abaixo de 5 reais. Nesta quinta-feira, 23, a moeda americana ficou cotada a 4,83 reais, recuo de 0,25% em relação à quarta-feira. No intradia, a moeda chegou a atingir os 4,76 reais, mas voltou e ficou quase no zero a zero. De toda forma, os resultados da semana fazem com que o câmbio inverta a curva ascendente dos últimos dois anos, desde antes da eclosão da pandemia.

Com a baixa, o dólar turismo foi negociado entre 5 reais e 5,08 reais nas casas de câmbio de São Paulo e do Rio de Janeiro, patamar mais baixo desde março de 2020. O dólar turismo é atrelado ao comercial, mas, por ter IOF embutido, acaba tendo cotação um pouco maior.

No ano, o dólar já desvalorizou 13,5% frente ao real. A desvalorização está amparada na alta dos preços das commodities, que estão beneficiando a balança comercial e as bolsas de valores de países emergentes – como o Brasil -, que usualmente são grandes exportadores de matérias-primas. O movimento também está atrelado à taxa de juros no Brasil. A Selic está em 11,75% e ainda são esperados novos aumentos. As projeções do mercado saltaram de 12,25% para 13% ao final do ano, de acordo com o último boletim Focus. Especialistas recordam que, quando a taxa de juros no Brasil atingiu seu menor patamar histórico, de 2% ao ano, o câmbio sofreu uma enorme volatilidade.

A taxa de juros a patamares próximos de zero em grande parte das maiores economias do mundo estimulou a injeção de capital no Brasil, que hoje é o quarto país com a maior taxa de juros do mundo. Em termos de taxas de juros reais, o país figura na segundo posição, atrás apenas da Rússia. Com uma inflação não experimentada há mais de quatro décadas, os Estados Unidos começaram a elevar os juros básicos, saindo da faixa entre 0% a 0,25% para 0,25% a 0,50%. Para os analistas financeiros, o diferencial de juros entre os países ainda é alto para atrair investimentos ao Brasil, como acontece nas últimas semanas.

Apesar dos ventos favoráveis ao Brasil, a desvalorização do dólar não deve arrefecer os preços por aqui. Nesta quinta-feira, o Banco Central elevou a estimativa de inflação de 4,7% para 7,1%, e aumentou a probabilidade, de 88% para 97%, de ficar acima do teto em 2022. A autoridade atribui parte significativa da inflação aos preços do petróleo e dos alimentos. De acordo com o BC, o câmbio mais baixo não deve ser suficiente para diminuir a pressão sobre os preços, já que as commodities estão mais caras no mercado internacional.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.