Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dólar perde valor com falta de definição de plano da UE

Por Silvana Rocha

São Paulo – O mercado de câmbio doméstico foi guiado hoje pela expectativa quanto ao fim da reunião de cúpula da União Europeia em Bruxelas e de eventual anúncio de medidas para lidar com a crise de dívida da zona do euro. O compasso de espera dos agentes financeiros foi marcado pela volatilidade dos preços no mercado de moedas, que refletiu as incertezas sobre o desfecho dessa reunião. O dólar à vista fechou com leves baixas, acompanhando a perda de força do euro, à tarde.

Há pouco, começaram a sair as primeiras informações sobre a reunião dos líderes europeus. Em relação à reestruturação da dívida da Grécia, os líderes avaliaram que uma “garantia nacional da dívida dos bancos pode ser insuficiente”. Quanto à proposta de recapitalização dos bancos europeus mais expostos às dívidas soberanas da região, a avaliação preliminar seria de que é preciso um plano coordenado de garantia de dívidas dos bancos, mas não foi mencionado um valor total do plano de recapitalização.

O primeiro ministro da Polônia disse que a UE está perto de um acordo político para definição do pacote de medidas. Já o presidente da França, Nicolas Sarkozy, e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, vão conversar pessoalmente hoje com banqueiros de diversos países para negociar um desconto (haircut) no valor dos bônus da Grécia, segundo uma alta fonte do governo ouvida pela Dow Jones. Essa pessoa afirmou que, a partir de hoje, os líderes da União Europeia estão prontos para negociar o tamanho do desconto, mas não deu mais detalhes.

Em meio a essas notícias e a um fluxo cambial pequeno e negativo, o dólar à vista fechou com leve baixa, de 0,17%, cotado a R$ 1,7610 no balcão, após oscilar entre a mínima no começo do dia de R$ 1,748 (-0,91%) e a máxima por volta das 13 horas, de R$ 1,770 (+0,34%). Na BM&F, o dólar pronto também terminou com queda, de 0,47%, cotado a R$ 1,7566. Às 16h36, o dólar novembro de 2011 estava em baixa de 0,31%, a R$ 1,7630.

Embora os governos europeus tenham se empenhado nos últimos dias na busca por um amplo pacote contra a crise da dívida soberana na região, hoje cedo a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmou que ainda havia problemas a resolver. Merkel recebeu hoje a aprovação do parlamento alemão para finalizar o plano de reforço da Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês). Essa decisão deu sustentação ao euro, que atingiu uma máxima em seis semanas versus o dólar, de US$ 1,3976.

No entanto, no começo da tarde, o euro perdeu força com a informação de que as negociações entre a zona do euro e os bancos credores da Grécia sobre a dívida do país chegaram a um impasse, porque os bancos exigiam que o bloco monetário oferecesse um seguro parcial dos novos papéis gregos (que teriam um desconto de 50% na dívida).