Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Dólar opera em alta e volta a bater os R$ 4

Investidores seguem atentos à situação fiscal do país e aguardam os comentários do secretário interino do Tesouro, Otávio Ladeira, nesta tarde, sobre o equacionamento das chamadas pedaladas fiscais

Por Da Redação 30 dez 2015, 14h10

O dólar voltou a bater os 4 reais na tarde desta quarta-feira. Por volta das 13h59, a moeda americana bateu a máxima, em alta de 3,29%, a 4,005 reais na venda. Às 14h50, a valorização era um pouco menor, de 3,03%, a 3,994 reais. “O mercado seguiu o cenário doméstico complicado”, disse o especialista em câmbio da Icap, Ítalo Abucater. “O (lado) técnico não mudou, o cenário é ruim e o dólar para o primeiro trimestre segue a trajetória de alta”, completou.

Os investidores seguiam atentos à situação fiscal do país e aguardam os comentários do secretário interino do Tesouro, Otávio Ladeira, nesta tarde, sobre o equacionamento das chamadas pedaladas fiscais. Na véspera, Ladeira disse que o governo federal considera estratégico pagar integralmente neste ano as pedalas fiscais de 57 bilhões de reais.

“A gente já sabe que vai ter esse acerto… É previsível que tenha déficit grande este ano e isso precisa ser ajustado para não ter o mesmo problema no ano que vem”, disse o gerente de câmbio da TOV Corretora, Reginaldo Siaca.

O mercado tem reagido com força às incertezas políticas e fiscais no país, temendo que a presidente Dilma Rousseff volte atrás e afrouxe o compromisso com a austeridade fiscal diante da pressão de seu impeachment no Legislativo. Essa percepção foi fortalecida recentemente pela substituição de Joaquim Levy por Nelson Barbosa no Ministério da Fazenda.

“Como tem poucos ‘trades’ no mercado, fica mais fácil (para mexer as cotações)”, afirmou o operador da uma corretora nacional, acrescentando que pelo fato de ser o último pregão do ano, muitos investidores trabalhavam para puxar os preços.

Leia mais:

Governo pagará dívida de R$1,5 bi com Banco do Brasil

Walmart fechará 30 lojas no Brasil até o início de janeiro

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade