Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Dólar opera abaixo de R$ 4 com otimismo pela reforma da Previdência

Pacto acordado em reunião entre os presidentes dos três Poderes na terça-feira animou os investidores, que esperam uma tramitação mais tranquila

Por André Romani Atualizado em 29 Maio 2019, 12h00 - Publicado em 29 Maio 2019, 11h19

Depois de treze dias, o dólar voltou a operar abaixo da casa dos 4 reais. Nesta quarta-feira, 29, por volta das 11h10, a moeda estava em baixa de 0,6%, sendo vendida a 3,99 reais.

O otimismo no cenário interno, influenciado pelo “pacto pela retomada do crescimento” acordado entre líderes dos três Poderes em reunião na terça-feira, 28, e que sinaliza uma tramitação mais calma da reforma da Previdência, é o principal motivo da baixa da moeda americana.

No mesmo horário, o Ibovespa estava em alta de 0,26%, com 96.678 pontos.

Segundo Sidnei Nehme, diretor da NGO Corretora de Câmbio, o dólar chegou a um novo momento de queda. “O dólar caiu porque há uma melhora acentuada (no cenário econômico). É reflexo direto do avanço sinalizado da reforma”, afirma ele.

Continua após a publicidade

O otimismo do mercado começou a ser percebido de uma reunião na terça-feira entre o presidente Jair Bolsonaro; o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ); o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP); e o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli. Após o encontro, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que os presidentes dos três Poderes vão assinar um pacto com um conjunto de metas e ações, possivelmente na semana do dia 10 de junho. Maia afirmou que só assinará o pacto após apresentar o texto aos líderes da Casa e ter o aval da maioria deles.

Depois de troca de farpas entre o Legislativo e o Judiciário com o Executivo, a notícia anima o mercado, que enxerga a reunião como uma sinalização de acordo entre os Poderes. “Não é que todos vão concordar. Mas será um pacto de foco em comum, que vai manter o poder de discordância para cada um deles”, diz Nehme.

Além disso, a aprovação pelo Senado na noite de terça-feira da medida provisória da reforma administrativa também foi vista de maneira positiva, mesmo com a Casa votando para que o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) ficasse na pasta da Economia, e não na da Justiça e Segurança Pública, como queria o governo. Para os investidores, o saldo poderia ter sido pior.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.