Clique e assine com até 92% de desconto

Dólar fecha com a menor cotação em 11 meses

Por Da Redação 5 ago 2009, 18h08

O dólar fechou em queda pelo quinto dia consecutivo nesta quarta-feira e atingiu sua menor cotação 11 meses – 1,81 real. A moeda americana registrou queda de 0,66%. No mês, a desvalorização já chega a 2,9% e, no ano, a 22,44%.

Pela manhã, a moeda chegou a ser negociada em alta, reagindo a números do mercado de trabalho do setor privado nos Estados Unidos, que perdeu mais vagas que o previsto em julho. Na taxa máxima registrada o dólar atingiu 1,83 real. A taxa mínima, quase na hora final das negociações, foi de 1,80 real. O Banco Central deixou para realizar o habitual leilão de compra de dólar no mercado à vista mais perto do fechamento da sessão, o que pode ser um indicativo de que o fluxo positivo não estava forte. Além disso, a taxa de corte de 1,80 real da autoridade monetária ficou abaixo da cotação do mercado.

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, alertou que o excesso de euforia dos mercados, às vezes, preocupa. Meirelles informou também que os resgates dos leilões de linha em dólar e de Adiantamento de Contrato de Câmbio (ACC) somaram 20 bilhões de dólares até 30 de julho e acrescentou que ainda faltam 4,5 bilhões de dólares para serem resgatados. O presidente informou que o volume de compras do BC no mercado à vista somou 8,2 bilhões de dólares até o final do mês passado.

O BC também divulgou hoje os dados do fluxo cambial de julho, que encerrou com o quarto resultado mensal positivo. O ingresso líquido no mês passado foi de 1,27 bilhão de dólares. O resultado é melhor que o observado em igual mês do ano passado, quando o fluxo cambial registrou a saída líquida de 2,494 bilhões de dólares. De acordo com o BC, o ingresso de dólares no mês passado foi liderado pelo segmento financeiro, que ficou superavitário em 4,103 bilhões de dólares – terceiro resultado positivo consecutivo. O valor da conta financeira foi mais que suficiente para compensar a saída líquida de 2,833 bilhões de dólares na conta comercial. No acumulado dos sete primeiros meses do ano, o fluxo cambial registra entrada líquida de 3,935 bilhões de dólares. Em igual período de 2008, o fluxo cambial era positivo em 12,44 bilhões de dólares.

Também hoje, a BM&FBovespa informou que a participação dos investidores estrangeiros na Bovespa em julho atingiu 37,9%, o maior nível desde maio de 2006, quando foi recorde (40,7%). No mês passado,os estrangeiros registraram entrada líquida de recursos na Bolsa da ordem de 2,208 bilhões de dólares.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade