Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dólar encosta em R$ 2,60 com alta da gasolina menor do que se esperava

Moeda norte-americana caminhava para a sexta sessão consecutiva de alta, depois de a Petrobras elevar preço de venda do combustível em 3%

O dólar ganhava terreno pela sexta sessão consecutiva nesta sexta-feira, com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrando que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulou alta de 6,59% nos últimos doze meses até outubro e ultrapassou o teto da meta de 6,5% ao ano. A alta da gasolina abaixo do esperado e a indefinição sobre a futura equipe econômica do governo Dilma Rousseff também contribuíam para a valorização da moeda norte-americana ante o real.

Às 12h00, o dólar subia 0,42%, para 2,5715 reais, depois de encerrar a sessão anterior com alta de 1,28%, para 2,5607 reais, a maior cotação desde abril de 2005. Durante a manhã, a moeda americana chegou a bater 2,5834 reais na máxima.

A Petrobras elevou o preço de venda da gasolina em 3% e do diesel em 5% nas refinarias. A estatal informou em comunicado que os preços da gasolina e do diesel, sobre os quais incide o aumento autorizado, não incluem os tributos federais Cide e PIS/Cofins e o tributo estadual ICMS. Economistas consultados pelo Broadcast estimaram que o impacto do reajuste da gasolina no IPCA de 2014 deverá ficar entre 0,06 ponto porcentual e 0,15 ponto porcentual, com o índice podendo alcançar 6,6%.

Leia também:

Inflação acelerada levou Copom a subir os juros

Entrada de dólar supera saída em US$ 6,92 bi em outubro

Mercado eleva previsão para juros a 12% em 2015

Cenário externo – No exterior, a alta nos juros de títulos do tesouro americano contribuía para a tendência de valorização do dólar ante as várias outras moedas importantes e as divisas emergentes, de acordo com o Barclays. Além disso, o Banco Central Europeu (BCE) informou nesta sexta-feira que suspenderá os reembolsos de bancos em operações de refinanciamento de longo prazo (LTRO) de três anos durante o Natal. A medida foi tomada devido ao baixo interesse previsto e a concentração de outras operações que devem ocorrer no feriado de fim de ano.

(Com Estadão Conteúdo)