Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Dólar é cotado acima de R$ 3,20 com queda nas bolsas asiáticas

Valorização da moeda americana também reflete a queda no preço das commodities; esta é a maior alta em mais de três meses

Por Da Redação 8 jul 2015, 12h41

Após subir mais de 1% ontem, o dólar voltou a operar em alta nesta quarta-feira, refletindo as preocupações do mercado quanto à forte queda das bolsas asiáticas e ao recuo no preço das commodities, como petróleo, cobre e minério de ferro.

A quarta-feira começou turbulenta na bolsa de Xangai, que recuou quase 6% com investidores inseguros com a capacidade do governo chinês em honrar as promessas de investimento, em especial em infraestrutura. Investidores também questionam a solidez do novo caminho econômico de Pequim, de estímulo ao consumo interno em vez do foco maciço em exportações.

As autoridades chinesas rapidamente agiram para conter a sangria das bolsas, reafirmando compromisso em manter investimentos. Uma das medidas tomadas nesta quarta foi a proibição, pela autoridade reguladora do mercado de capitais, que acionistas controladores que possuíssem mais de 5% de uma empresa vendessem suas ações nos próximos seis meses. Bancos chineses também ampliaram limite de crédito para a compra de ações e estatais foram impedidas de negociar ativos em bolsa.

Por volta das 15h30, o dólar chegou a ser cotado a 3,21 reais, com alta de 1%. Mais cedo, a moeda americana chegou a valer 3,23 reais, com avanço de 1,5%. Este é o maior valor que a divisa alcança em mais de três meses – no dia 30 de março, o dólar fechou valendo 3,23 reais.

Nesta quarta-feira, os investidores também continuam atentos ao desenrolar do impasse na Grécia, que chegou a dar uma leve trégua aos analistas com o pedido formal de empréstimo feito pelo governo grego à zona do euro.

Por volta das 15h30, a bolsa de valores de São Paulo operava em baixa de 1,37%, influenciada pela queda nas ações da Vale, Companhia Siderúrgica Nacional e Gerdau, ainda sob impacto da crise de confiança chinesa.

Continua após a publicidade

Leia também:

Temor de bolha na China faz bolsas asiáticas despencarem

Novo pedido de empréstimo da Grécia impulsiona bolsas europeias

Europa – As bolsas europeias, por sua vez, fecharam em alta nesta quarta-feira, principalmente por causa do avanço nas negociações sobre a dívida grega. O governo comandado pelo premiê Alexis Tsipras formalizou um novo pedido de ajuda financeira em troca da implementação de reformas no país.

A bolsa de Frankfurt, a mais negociada da Europa, fechou em alta de 0,7%. A bolsa de Londres teve ganho de 0,91%, com a ajuda do banco Barclays, que avançou 2% depois de anunciar a demissão do até então executivo-chefe, Antony Jenkins. Mas dentre todas as bolsas a que mais subiu foi a de Milão, com avanço de 2,64%. Na península ibérica, Madri teve ganhos de 0,81%, e Lisboa, de 1,41%.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade