Clique e assine com até 92% de desconto

Dólar chega a R$ 3,90 à espera de decisão do Fed

Mercado reage com cautela antes do anúncio do Banco Central americano, que pode elevar os juros nos Estados Unidos pela primeira vez em quase uma década

Por Da Redação 17 set 2015, 10h34

O dólar subia mais de 1% nesta quinta-feira em meio a cautela antes da decisão do Federal Reserve, o Banco Central americano, a ser anunciada às 15h (horário de Brasília). A autoridade monetária pode optar por promover a primeira alta de juros em quase uma década, o que pode causar uma elevação da moeda no Brasil. Às 12h10, a divisa operava em alta de 1,2%, a 3,88 reais. Antes, por volta das 10h30, o dólar chegou a bater a marca de 3,90 reais.

De acordo com operadores, o dólar deve subir se o Fed elevar a taxa de juros e, caso a instituição não altere a taxa atual, ela pode recuar. Entretanto, alguns analistas afirmam também que a possível queda não durará muito, pois o Fed ainda pretende elevar a taxa de juros, independentemente do momento.

Investidores, economistas e analistas estão bastante divididos em torno da decisão do Fed, se o Banco Central elevará os juros ou se irá esperar mais um pouco diante das preocupações com a saúde da economia global.

Brasil – No âmbito interno, pesa o conturbado cenário político. No radar do mercado está a reunião do ex-presidente Lula com a presidente Dilma Rousseff em Brasília. A executiva do PT se reúne em São Paulo, às 10h, e, depois, o presidente do partido, Rui Falcão, concede entrevista coletiva, às 18 horas.

Já os ministros Joaquim Levy (Fazenda) e Nelson Barbosa (Planejamento) estão na Câmara, onde participam de reunião fechada da Comissão Mista de Orçamento, para explicar o pacote fiscal anunciado na última segunda.

Continua após a publicidade

Na quarta, o dólar caiu 0,74% e terminou a 3,8341 reais. Na semana, a moeda acumula queda de 1,11%. No mês e no ano, a valorização é de 5,71% e 44,21%, respectivamente.

Leia mais:

Dólar cai a R$ 3,83 com expectativas de manutenção dos juros nos EUA

Rejeição das contas de Dilma no TCU é considerada irreversível

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade