Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Dólar cai ante real e beira mínimas desde 1999

Diferença entre a taxa de juros americana e brasileira é uma das causas da enxurrada de dólares no Brasil

Por Da Redação 26 abr 2011, 19h00

Apesar de todas as medidas que o governo vem adotando para segurar a queda do dólar, a moeda norte-americana não pára de cair. Nesta terça-feira, o dólar fechou em queda de 0,57%, cotado a 1,564 real, aproximando-se do piso estabelecido há mais de doze anos. “O dólar basicamente está mantendo sua tendência de baixa, e o ambiente melhor no exterior potencializa isso”, comentou Ovídio Soares, operador de câmbio da Interbolsa do Brasil.

Grande parte da queda do dólar é explicada pela diferença entre o juro cobrado no Brasil e no exterior. Com taxas bem superiores no mercado interno, investidores captam no exterior e aplicam aqui. A diferença entre as taxas é o lucro.

“Enquanto o governo americano continuar com essa política de injetar dinheiro na economia, vamos ter muita liquidez e investidores ávidos por elevados retornos. E com 12%de juros ao ano, o Brasil permanecerá um paraíso para eles”, disse Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora.

Investidores e analistas estão atentos à reunião do banco central americano (Fed) a partir de amanhã. Estará em discussão a eliminação do mecanismo de recompra de títulos do Tesouro americano em junho, como previsto inicialmente, e as medidas necessárias para enfrentar o período de maior oscilação previsto para os meses seguintes.

A principal decisão do Fed dirá respeito ao mecanismo de injeção de 600 bilhões de dólares na economia ao longo deste semestre, por meio da recompra de títulos do Tesouro. Trata-se do programa que afastou o risco de deflação nos EUA e estimulhou a retomada de investimentos no mercado de ações e em outros ativos com maior risco.

Ao final da reunião, o presidente do Fed, Ben Bernanke, dará sua primeira entrevista coletiva desde 2006, quando assumiu o posto. Há ainda a expectativa de sinalização da autoridade monetária americana sobre o aumento dos juros no curto prazo.

A decisão deve afetar o fluxo de dólares para os países, principalmente os emergentes, como o Brasil. Não por acaso, a principal recomendação do Fundo Monetário Internacional (FMI), do Banco Mundial (Bird) e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (PID), há duas semanas, foi de preparação dessas economias para uma eventual saída de capitais, em busca de retorno financeiro mais atraente e da segurança dos papéis americanos.

Se de fato isso ocorrer, o real pode até se desvalorizar frente ao dólar, o que deve pressionar ainda mais a inflação no Brasil.

(com Agência Estado e Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade