Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Dívida pública sobe 1,22% em fevereiro e chega a R$ 4,28 trilhões

Papéis são emitidos pelo governo para financiar o déficit orçamentário e, por causa do coronavírus, há leilões do Tesouro em março

Por Larissa Quintino Atualizado em 26 mar 2020, 10h51 - Publicado em 25 mar 2020, 17h42

A dívida pública federal subiu 1,22% em fevereiro sobre janeiro, a 4,281 trilhões de reais, informou nesta quarta-feira, o Tesouro Nacional nesta quarta-feira, 25. Em janeiro, a dívida somava 4,229 trilhões de reais.

Em apresentação divulgada à imprensa, o Tesouro destacou que, em março, os mercados internacionais operam com aversão ao risco diante de preocupações com impactos econômicos do coronavírus e crise do petróleo. “Devido às incertezas internas e externas, juros locais operaram com volatilidade, sem referência de preço”, disse o Tesouro. A partir disso, o Tesouro afirma que pode realizar leilões extraordinários de compra e venda de títulos públicos para “fornecer suporte” ao mercado.

No mês passado

O aumento da dívida pública em fevereiro está relacionado à emissão líquida no valor de 20,16 bilhões de reais, e pela apropriação positiva de juros no valor de 31,33 bilhões de reais.

A dívida pública é a emitida pelo Tesouro Nacional para financiar o déficit orçamentário do governo federal. A emissão de títulos serve para pagar despesas que ficam acima da arrecadação com impostos e tributos. A emissão de papéis pelo governo somou 42,89 bilhões de reais no período. Já os resgates somaram 22,73 bilhões de reais.

A dívida pública é a emitida pelo Tesouro Nacional para financiar o déficit orçamentário do governo federal. Ou seja, para pagar despesas que ficam acima da arrecadação com impostos e tributos.

No período, a dívida interna teve aumento de 1,05% em fevereiro, chegando a 4,099 trilhões de reais. Quando os pagamentos e recebimentos são realizados em real, a dívida é chamada de interna. Já no caso da dívida externa, que ocorre com o pagamento em dólar, o aumento foi de 5,23% em fevereiro, para 181,07 bilhões de reais.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)