Clique e assine com 88% de desconto

Dívida Pública registra maior alta em cinco anos

Dados do Tesouro Nacional mostram que a conta subiu 4,79% em março, maior aumento desde abril de 2010

Por Da Redação - 27 abr 2015, 10h55

O estoque da Dívida Pública Federal (DPF) subiu 4,79% em março e atingiu a soma de 2,441 trilhões de reais, informou o Tesouro Nacional nesta segunda-feira. No mês passado, o endividamente estava em 2,329 trilhões de reais. Trata-se da alta mensal mais elevada desde abril de 2010, quando a dívida avançou 6,02%, atingindo 1,58 trilhão de reais.

Os dados revelam que o aumento da dívida se refere principalmente ao fato de o governo ter emitido mais dívidas do que pagou no mês passado. Segundo o tesouro, foram emitidos 147,15 bilhões de reais em papeis da dívida federal, enquanto foram resgatados 76,96 bilhões de reais. Também teve impacto a elevação das despesas com juros, de 41,39 bilhões de reais.

Leia mais:

Dívida pública sobe 3,64% em fevereiro, para R$ 2,32 trilhões

Publicidade

Juro do cheque especial atinge 220,4% ao ano, diz BC

2015 começou com 22% dos brasileiros no cheque especial​

A Dívida Pública Mobiliária Federal interna cresceu 4,66% e fechou o mês em 2,316 trilhões de reais, enquanto a externa teve alta de 7,27%, totalizando 124,72 bilhões de reais.

Todos os papéis estão dentro das metas do Plano Anual de Financiamento (PAF). O intervalo do objetivo perseguido pelo Tesouro para os títulos prefixados em 2015 é de 40% a 44%, enquanto para os papéis remunerados pela Selic vai de 17% a 22%.

Publicidade

Estrangeiros – A fatia dos investidores estrangeiros na dívida pública ficou praticamente estável em março em relação a fevereiro. A participação dos investidores no Brasil no estoque da DPMFi passou de 20,28% para 20,27%, somando R$ 469,61 bilhões. Em fevereiro, o estoque estava em R$ 448,95 bilhões. A categoria das instituições financeiras teve queda na participação do estoque da DPMFi de 27,75% em janeiro para 27,39% em março. Os fundos de investimentos reduziram a fatia de 20,37% para 19,80%. Já a participação das seguradoras passou de 3,98% para 3,97%.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade