Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Dívida grega pode ser sustentável,mas há riscos-UE/FMI

Por Da Redação 13 mar 2012, 09h39

BRUXELAS, 13 Mar (Reuters) – O segundo pacote de resgate à Grécia pode tornar a dívida do país sustentável, mas até 2030 Atenas terá que se prender firmemente às políticas acordadas e pode precisar de mais dinheiro depois de 2014, mostrou uma análise atualizada da sustentabilidade de dívida feita por credores internacionais.

A análise, preparada pela Comissão Europeia, pelo Banco Central Europeu (BCE) e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) para os ministros da zona do euro e obtida com exclusividade pela Reuters, mostra que após a troca de dívida no final de semana, a dívida grega pode cair para 116,5 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020 e 88 por cento em 2030.

“Os resultados mostram que o programa pode colocar a dívida grega em uma trajetória sustentável”, disse a análise, marcada como estritamente confidencial. No entanto, o documento também alertou que a trajetória da dívida é extremamente sensível e que o programa é “propenso a acidentes”.

A análise disse que a reestruturação dos títulos detidos pelo setor privado ajudará a reduzir a dívida inicialmente, mas que ela subirá novamente para 164 por cento do PIB em 2013 devido ao encolhimento da economia e aos ajustes fiscais incompletos.

“Uma vez que o ajuste fiscal estiver completo, o crescimento restaurado, e as receitas de privatização se acumulando, reduções constantes da proporção da dívida se iniciam. A Grécia terá que manter boas políticas até 2030 para reduzir a proporção para abaixo de 100 por cento do PIB”, disse o relatório.

A zona do euro pode ter que se preparar para emprestar ainda mais dinheiro à Atenas, segundo a análise.

O relatório afirmou que quando a Grécia tentar retornar aos mercados após 2014, o país terá que emitir primeiramente dívida de curto prazo e ainda pagar altas taxas de juros, pois seu endividamento ainda será elevado, o país terá dívida sênior para pagar antes e precisará estabelecer um considerável histórico com o mercado.

“Isso inicialmente desencorajará grandes emissões e implicará continuada dependência de financiamento oficial, como comprometido com os estados-membros da zona do euro sob o padrão dos termos de empréstimo do EFSF (Fundo Europeu de Estabilização Financeira), desde que a Grécia implemente com sucesso seu programa”, disse o relatório.

(Reportagem de Jan Strupczewski)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)