Clique e assine com 88% de desconto

Dívida dos países da zona do euro alcança 90% do PIB

Segundo dados da Eurostat, endividamento teve leve avanço no terceiro trimestre, em relação ao período anterior

Por Da Redação - 23 jan 2013, 12h45

A dívida pública da zona do euro subiu para 8,52 trilhões de euros (11,3 trilhões de dólares) no terceiro trimestre, de 8,51 trilhões de euros no segundo trimestre, afirmou a agência de estatísticas oficial da União Europeia, Eurostat nesta quarta-feira. A dívida representou 90% do Produto Interno Bruto (PIB) combinado dos 17 países membros da zona do euro no terceiro trimestre, ante 89,90% do PIB no segundo trimestre.

Já para os países da União Europeia, que somam 27, a média de endividamento ficou em 85% do PIB no período. Ambos os níveis de endividamento público superam, com folga, os porcentuais requeridos em 1999, quando a união monetária foi criada. À época, os países membros não poderiam ter uma dívida pública que superasse 60% do PIB.

PIGS – As dívidas dos membros mais problemáticos da zona do euro, os PIGS (Portugal, Irlanda, Grécia e Espanha), continuaram a subir fortemente. A dívida da Grécia aumentou para 152,6% do PIB, de 149,2% no trimestre anterior, enquanto a da Irlanda avançou para 117% do PIB, ante 111,1%. No caso de Portugal, houve alta para 120,3% do PIB – três pontos porcentuais acima dos 117,4% registrados em julho do ano passado. Entre os países problemáticos da Europa, a Espanha é o que ainda possui a melhor situação fiscal – uma dívida pública, segundo a Eurostat, de 77% do PIB.

Recuperação alemã – Em contraste, a dívida governamental nas duas maiores economias do bloco diminuiu. Na Alemanha, a dívida caiu de 82,4% para 81,7% do PIB, enquanto na França, a dívida recuou para 89,9% do PIB ante o porcentual de 91,0% no segundo trimestre. Áustria, Bélgica, Luxemburgo, Malta e Finlândia também registraram declínio do porcentual da dívida em relação ao PIB.

Publicidade

Leia também:

Para Eurocâmara, Londres se arrisca ao cogitar deixar UE

Fórum de Davos começa nesta quarta, com foco na Europa

Publicidade