Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Disputas judiciais ameaçam duas conquistas econômicas do Brasil atual

O marco do saneamento e a privatização da Cedae estão sob risco pela insegurança jurídica que sempre afastou os investimentos no país

Por Felipe Mendes
Atualizado em 24 jul 2022, 08h12 - Publicado em 24 jul 2022, 08h00

Eleito com um programa de governo baseado no liberalismo econômico, Jair Bolsonaro prometeu privatizações e reformas estruturais que impulsionariam o desenvolvimento do país com o apoio da iniciativa privada. Ao longo de quatro anos, as realizações ficaram aquém da realidade, mas houve avanços — e, entre eles, dois se destacam. O marco legal do saneamento básico, aprovado em 2020, foi uma das microrreformas conduzidas pela equipe econômica que significou um avanço em um setor em que a ineficiência pública é notória, ao criar um ambiente favorável para investimentos privados com o objetivo de chegar à universalização do acesso à água potável e à coleta e tratamento de esgoto até 2033.

Em paralelo, em outro segmento marcado por uma expectativa elevada, o das privatizações, uma das poucas conquistas a serem celebradas foi, em âmbito estadual, a venda da complicada Companhia Estadual de Água e Esgoto do Rio de Janeiro (Cedae), em 2021. A empresa teve seus principais serviços leiloados por 22,7 bilhões de reais, em certame que teve como vencedoras as empresas Aegea, Iguá e o grupo Águas do Brasil, que agora estão em fase de implementação da nova gestão da empresa. Se a transição for bem-sucedida, o estado do Rio terá, no futuro, tratamento adequado de água e esgoto em regiões hoje carentes de serviços básicos, além de uma diminuição da poluição nas praias e na Baía de Guanabara. A Cedae, por sua vez, continuará existindo, mas será responsável pela captação e pelo tratamento da água, e entregará o recurso natural para ser distribuído às empresas vencedoras do leilão.

O problema é que, no Brasil, mesmo quando tudo parece bem encaminhado, as surpresas negativas insistem em aparecer. Sob esse aspecto, essas duas conquistas econômicas do Brasil atual — o marco do saneamento e a privatização da Cedae — estão sob risco justamente pela insegurança jurídica que sempre afastou os investimentos no país. “O marco legal do saneamento e as concessões inauguraram uma nova era. No entanto, isso tudo pode ser comprometido por ações judiciais que desafiam a legislação e o entendimento dos Tribunais Superiores, não acatado pelas cortes locais”, diz o advogado Bruno Calfat, que representa as empresas do setor.

O marco do saneamento trouxe, como um de seus pontos de base, novas diretrizes para a cobrança de água no país. A nova regulação estabeleceu a criação de uma tarifa mínima para água e esgoto, em moldes semelhantes ao que acontece, por exemplo, no setor de energia. Com isso, a cobrança inicial não é determinada pela quantidade do recurso utilizada, mas por um valor fixo. Essa forma de tarifação para o saneamento serviu de referência para as empresas vencedoras das concessões estimarem o custo da operação e o capital a ser investido para se alcançar as metas determinadas para a universalização dos serviços.

Continua após a publicidade

A surpresa é que uma decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro atropelou as novas regras estabelecidas e resgatou um critério de tributação estipulado em 2010. O TJ declarou ilegal a cobrança dessa tarifa mínima por imóvel nos casos de condomínios residenciais ou comerciais, em especial os mais antigos, em que há um único hidrômetro. E determina que, nessas situações, a tarifa de água seja definida usando como base o consumo real aferido pelo equipamento, dividido pelas unidades, mesmo que fique abaixo de um piso de valor. Agora, as empresas do setor e juristas temem que esse entendimento seja repassado para outros estados. “O Rio de Janeiro será uma referência para as concessões nesse setor. A expectativa é que o Superior Tribunal de Justiça reverta essa decisão em nome da segurança jurídica para as concessões vindouras”, avalia o diretor jurídico da Cedae, Rafael Cid. “Não concordamos com a tese porque entendemos que se deve ter um arbitramento mínimo pela exploração do serviço, que é como funciona no mundo inteiro.”

Mesmo antes de sua privatização, a Cedae já sofria de um dos grandes malefícios do capitalismo brasileiro: o excesso de judicialização, que inibe a atração de investimentos no setor. A empresa estima que tenha perdido nas últimas duas décadas entre 800 milhões e 1 bilhão de reais em ações judiciais movidas por consumidores. Atualmente, existem cerca de 25 000 processos movidos por clientes e um passivo acumulado de 4 bilhões de reais. Comenta-se, no ambiente jurídico, que a empresa seria uma vítima da “indústria” de advogados que se especializaram em judicializar o tema da cobrança mínima. A expectativa é que o STJ (o caso está nas mãos do ministro Manoel Erhardt) e a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) pacifiquem a questão e permitam que os avanços não escorram pelo ralo. Até aqui, infelizmente, diversas manobras protelatórias de escritórios de advocacia têm sido bem-sucedidas.

Publicado em VEJA de 27 de julho de 2022, edição nº 2799

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.