Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Disney proibirá anúncios de ‘junk food’ em programas infantis

Por Da Redação 5 jun 2012, 16h08

Washington, 5 jun (EFE).- A companhia Walt Disney anunciou nesta terça-feira a proibição dos anúncios de ‘junk food’ em seus programas de televisão, rádio e internet para menores de 12 anos a partir de 2015, iniciativa que marca uma ‘verdadeira mudança’ para a saúde infantil, segundo a primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama.

O plano foi apresentado em uma entrevista coletiva em Washington por Robert Iger, presidente e executivo-chefe da Disney, junto com a primeira-dama, defensora da alimentação saudável.

‘Com esta nova iniciativa, a Disney está fazendo o que nenhuma outra grande companhia fez nos Estados Unidos e o que espero que cada empresa faça no futuro’, disse Michelle durante a conferência. A primeira-dama ainda destacou que é preciso refletir se esse tipo de comida é faz bem para as crianças.

Na mesma linha, o presidente da Disney disse que usará magia das histórias criadas pela empresa em benefício dos pequenos. ‘A conexão emocional das crianças com nossos personagens e histórias nos dá uma oportunidade única para seguir inspirando e animando elas a levarem vidas mais saudáveis’, disse Iger.

A eliminação de anúncios de alimentos que não cumpram com os padrões nutricionais adequados para as crianças entrará em vigor em 2015, devido aos acordos de publicidade existentes.

O plano também prevê a redução em 25% da quantidade de sódio nas comidas para crianças servidas nos parques temáticos da Disney, assim como o aumento da venda de frutas e verduras. Em 2006, a companhia introduziu novas diretrizes alimentícias para proporcionar uma dieta mais saudável em seus parques.

Enquanto isso, Michelle Obama lidera a campanha ‘LeT’s Move’, destinada a combater a obesidade infantil mediante a promoção de alimentação saudável do esporte.

Dois meses após chegar à residência presidencial, a primeira-dama instalou uma horta nos jardins da Casa Branca. ‘Estamos nos esforçando para ensinar nossas filhas hábitos saudáveis. Mas, quando as crianças ligam a televisão para ver seus programas favoritos, todo esse trabalho é prejudicado a cada pausa comercial’, disse Michelle.

A obesidade infantil nos Estados Unidos triplicou nos últimos 30 anos, segundo os Centros para o Controle e Prevenção de Doenças (CDC). Em 2008, um terço das crianças do país tinha sobrepeso ou eram obesos. EFE

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês