Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Dilma assina decreto que autoriza migração de rádios AM para FM

Segundo a presidente, a possibilidade de mudança é "justa" e cria condições para que estas rádios continuem funcionando e se adaptem a novas tecnologias

Por Da Redação 7 nov 2013, 15h32

A presidente da República, Dilma Rousseff, assinou nesta quinta-feira o decreto que autoriza a migração das rádios AM para a frequência FM. “Faço justiça a milhares de radialistas e às rádios AM espalhadas pelo país prestando serviços à população. Em muitas pequenas localidades do Brasil essas rádios são os instrumentos de conexão entre as pessoas que integram a nossa população. É importante que o estado crie condições para que continuem funcionando e se adaptem às novas tecnologias de telecomunicações”, afirmou.

De acordo com a presidente, a migração melhora a qualidade da transmissão dessas rádios, que terão menos ruídos e interferências. “As rádios AM vão manter seus ouvintes e até ganhar mais audiência, propiciando maior poder de negociação com anunciantes. Além disso, com novos aplicativos, poderão transmitir para celulares e tablets via internet, chegando também às novas gerações que utilizam esses aparelhos”, completou.

Leia também:

Dilma Rousseff aprova ‘gatilho’ para combustíveis

Dilma afirma que governo vai desburocratizar abertura de empresas

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, lembrou ainda que, nos últimos anos, foi observado um desinteresse pela transmissão AM e que alguns rádios de veículos nem sintonizam mais essa frequência. Conforme explicou, os interessados poderão solicitar a mudança a partir de 1º de janeiro de 2014. “Quem quiser continuar no AM poderá solicitar ampliação de cobertura para caráter regional e nacional”, afirmou.

De acordo com Bernardo, haverá uma fase de transição na qual os radiodifusores poderão transmitir nas duas frequências, até que a população se adapte. Em sua opinião esta será uma transição rápida e, na hipótese de não haver canal de rádio disponível em determinado local, serão utilizadas as frequências dos canais 5 e 6 da televisão.

O ministro explicou ainda que futuramente outras medidas terão de ser adotadas para garantirem que os aparelhos de rádio possam sintonizar essas frequências. Já sobre o modelo brasileiro de rádio digital, Bernardo afirmou que novos testes ainda serão realizados pelo ministério em 2014.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês