Clique e assine a partir de 9,90/mês

Dilma anuncia plano agrícola para safra de 2012

Segundo a presidente, plano deverá fortalecer o setor - que foi responsável pela desaceleração do PIB no primeiro trimestre

Por Da Redação - 28 jun 2012, 12h34

O governo federal anunciou na manhã desta quinta-feira, em Brasília, o Plano Agrícola e Pecuária para a safra 2012/13, confirmando aumento de 7,5% nos recursos disponíveis para custeio e investimentos no campo. Com mais recursos e juros menores, o plano deve fortalecer o setor agropecuário internamente e reforçar a atuação do Brasil no mercado externo em meio à crise na economia, disse a presidente Dilma Rousseff nesta quinta-feira. O setor agrícola foi o principal responsável pelo resultado fraco do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre do ano.

Leia mais:

PIB agropecuário pode cair ainda mais, diz especialista

Ao todo, serão oferecidos 115,2 bilhões de reais para a agricultura empresarial, ante 107,2 bilhões de reais do ciclo anterior. Deste total, 86,9 bilhões de reais serão para financiar custeio e comercialização e 28,2 bilhões de reais para investimentos.

Continua após a publicidade

O novo plano reduz de 6,75% para 5,5% a taxa anual de juros. “Isso é o reconhecimento que damos ao papel que a agricultura desempenha no enfrentamento da crise mundial”, disse Dilma, sobre a redução de juros.

“Os juros baixaram no capital de giro e no investimento”, acrescentou o ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, durante o evento. O total de recursos com taxa de juros controlada será de 93,9 bilhões de reais, o que corresponde a um acréscimo de 18,5% em relação ao programado para a safra anterior. Já os juros livres totalizam 21,3 bilhões de reais.

“Esperamos por 20 anos por juros compatíveis com a nossa atividade produtiva”, disse a presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, senadora Katia Abreu, celebrando a redução da taxa.

Novos limites – Foram ampliados os limites de financiamento de custeio e comercialização. No caso do custeio, houve aumento do limite para 800 mil reais por produtor, ante 650 mil reais do plano anterior. Para a comercialização o limite foi elevado para 1,6 milhão de reais, ante 1,3 milhão de reais do plano anterior. Em ambos os casos, a variação foi de 23% sobre a safra anterior.

Continua após a publicidade

O limite de financiamento de cooperativas passou para 100 milhões de reais por entidade, ante 60 milhões do último plano.

Médio produtor – A taxa de juros para médios produtores foi reduzida para 5% ao ano, ante 6,25% do plano anterior. O volume de recursos para custeio cresceu 15%, para 7,1 bilhões de reais.

Foi elevada para 800 mil reais a renda bruta anual para enquadramento do produtor no Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), ante 700 mil reais de limite na última safra. O limite de crédito por beneficiário passou para 500 mil reais, ante 400 mil reais no ano anterior. “Tem que chegar ao maior número de produtores”, disse a presidente Dilma. “Ter este foco no médio produtor é um momento importante”, acrescentou ela.

O Plano Safra da Agricultura Familiar será lançado na próxima semana, com um montante de 18 bilhões de reais em crédito para os pequenos produtores.

Continua após a publicidade

Extensão Rural – A presidente Dilma disse ainda que o governo estuda a criação de uma agência de extensão rural, capaz de disseminar as melhores técnicas agrícolas em todo o país. “É uma forma de democratizar conhecimento”, disse ela. “Este talvez seja um dos maiores desafios do meu governo.”

Segundo a presidente, a agência só poderá existir com a cooperação entre Ministério da Agricultura e Ministério do Desenvolvimento Agrário.

(Com Reuters)

Publicidade