Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Detroit, terra arrasada

Como a cidade se tornou um dos piores lugares para viver nos Estados Unidos

Por Fernando Valeika de Barros, de Detroit 8 jan 2012, 11h56

Qualquer pessoa que caminhar pelas ruas de Detroit duvidará que esta cidade tenha sido um dia uma das mais prósperas da América. Segundo dados do último censo populacional americano, de 2010, 79.725 de suas casas estão abandonadas – um em cada cinco imóveis por lá está vazio. Nos seus tempos de ouro, quando a gasolina barata banhava o desenvolvimento do planeta, a cidade produzia sem parar, e chegou a ser a quinta maior metrópole do país, com 1,8 milhão de habitantes. Hoje não vive ali um milhão de pessoas, mesma quantidade de gente que Detroit teve há 90 anos.

Pior do que a atmosfera quase sempre cinzenta e os dias de inverno rigoroso, quando a temperatura fica abaixo de 0º Celsius, o marasmo em Detroit foi a obra dos homens que mandaram na cidade que sofreu com a miopia dos dirigentes das três grandes montadoras instaladas ali. Eles não viram que seus produtos estavam ficando antiquados e ficaram sob a pressão dos sindicatos, a começar pelo que concentra os metalúrgicos das montadoras. Assim nasceu ali um esquema que não podia se sustentar. De um lado, pagamentos de salários e pensões vitalícias cada vez mais vorazes, do outro carros bebedores de combustível. Para completar, houve a inépcia das autoridades locais para lidar com o crime.

Tantos problemas juntos fizeram a cidade encolher. Afinal, quem escolheria morar num dos piores locais para se viver nos quase 9 milhões de quilômetros quadrados dos Estados Unidos? Detroit tem uma das taxas mais altas de violência do pais: 1.111 crimes violentos por 100.000 habitantes em 2010, segundo dados do FBI.

Registrou 345 assassinatos em 2009 (358% a mais que a média de grandes cidades americanas, segundo dados do site cityrating.com) e 30.372 roubos no ano, segundo a mesma fonte). Na proporção é, respectivamente, seis vezes mais e o dobro do que acontece em Nova York).

Fábrica de carros abandonada em Detroit
Fábrica de carros abandonada em Detroit VEJA

“Em Detroit proliferam e competem quadrilhas de todos os tamanhos”, diz Megan Wofram, analista da empresa de avaliação de riscos iJet Intelligent. E tem, claro, a crise econômica. Em novembro de 2011, 28% dos moradores de Detroit estavam sem emprego. Cerca de 50.000 famílias foram despejadas de suas casas por não conseguirem pagar as hipotecas, um dos maiores índices no pais. Apenas 58% dos estudantes conseguem terminar o segundo grau. Quase 10% das famílias atualmente vivem abaixo da linha da pobreza. Com o resultado de tanta pressão, mais gente morre do coração ali por mil habitantes do que em Los Angeles ou Atlanta.

Como se tanta notícia ruim não fosse suficiente, falta dinheiro para a cidade dar jeito nos problemas. Em novembro de 2011, David Bing, um ex-astro do basquete americano que se tornou prefeito de Detroit, subiu à tribuna e anunciou um rombo de 150 milhões de dólares por ano nos cofres municipais: “A prefeitura está quebrada.” Para tentar dar um jeito na situação, restou a ele cortar 10% nos salários dos funcionários municipais e cortar 2.000 vagas. É uma crise crônica, mas Detroit aposta no renascimento das montadoras para reencontrar o seu caminho.

Arredores do bairro onde está uma fábrica de carros abandonada
Arredores do bairro onde está uma fábrica de carros abandonada VEJA
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)