Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Desemprego volta a bater recorde na Espanha

Por Pedro Armestre - 3 jan 2012, 14h45

O número de desempregados na Espanha atingiu um nível recorde no fim de dezembro, a 4,422 milhões de pessoas, o que “confirma a deterioração da situação econômica no segundo semestre do ano”, anunciou nesta terça-feira o ministério do Trabalho.

O dado mostra o desemprego na Espanha em um nível sem precedentes desde o início da crise, em 2008, e desde o começo da série estatística divulgada pelo ministério, em 1996.

Privada do motor econômico da construção, a Espanha provavelmente entrará em recessão no início de 2012 e tem o índice de desemprego mais elevado do mundo desenvolvido: segundo o Instituto Nacional de Estatísticas (INE), que utiliza um método de cálculo diferente, a taxa chegou a 21,52% no terceiro trimestre de 2011.

Entre novembro e dezembro, segundo o ministério do Trabalho, o país registrou 1.897 desempregados adicionais (+0,04%), e em todo o ano foram 322.286 pessoas sem trabalho a mais (+7,86%).

Publicidade

Reduzir o desemprego e sanear as finanças são as prioridades do novo governo conservador de Mariano Rajoy, que assumiu o poder em 22 de dezembro.

Uma proposta para reformar novamente o mercado de trabalho deve ser formulada nesta mesma semana. O governo de Rajoy já pediu a sindicatos e entidades para que cheguem a um consenso sobre esse tema.

O governo já havia anunciado na sexta-feira passada um drástico plano de cortes por 8,9 bilhões de euros, assim como um aumento temporal dos impostos para arrecadar 6,275 bilhões de euros em 2012. O executivo justificou sua decisão dizendo que o déficit se situaria em torno de 8% do PIB ao final de 2011, superior aos 6% previstos pelo anterior governo socialista.

Ao todo, o desemprego subiu em 13 das 17 regiões do país, especialmente em Castilla-León e Galícia, em ambos os casos com quase 5.000 novos desempregados.

Publicidade

A situação segue especialmente dramática na Espanha entre os menores de 25 anos: segundo o INE, 45,8% dos jovens de 16 a 24 anos estavam desocupados no terceiro trimestre do ano passado.

Contudo, segundo os dados do Ministério do Trabalho, o número de desempregados foi reduzido ligeiramente entre os jovens no mês de dezembro (-5,27%) com relação a novembro.

A situação na Espanha contrasta drásticamente com a da Alemanha, maior economia europeia, onde o desemprego caiu em 2011 a seu menor nível em 20 anos, em torno de 7,1% em média.

O número de desempregados no ano passado na Alemanha – um país com 82 milhões de habitantes – foi de 2,976 bilhões de pessoas, seu melhor nível desde 1991. A Espanha, com seus 4,42 bilhões de desocupados, possui uma população de 46 milhões de habitantes.

Publicidade