Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Desemprego sobe para 7,6% em agosto, maior taxa desde 2009

Segundo IBGE, número de desempregados já chega a 1,9 milhão de pessoas, um aumento de 52,1% em relação ao ano passado

Por Da Redação 24 set 2015, 09h36

O desemprego no Brasil segue em trajetória de alta. A taxa de desocupação em agosto subiu para 7,6%, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira. No mês anterior, o índice estava em 7,5% e há um ano em 5%. É o maior porcentual para o mês desde 2009, quando o país sentia os efeitos da crise global de 2008. Na ocasião, a taxa foi de 8,1%.

Segundo a instituição, o país já soma 1,9 milhão de desocupados, aqueles que de alguma forma procuraram vaga de emprego e não conseguiram encontrar no período. Em relação a igual mês do ano passado, esse porcentual cresceu 52,1%, o que representa um incremento de 636.000 pessoas a mais na fila do desemprego.

Já a população ocupada, calculada em 22,7 milhões de pessoas, caiu 1,8% em relação a agosto de 2014. Ou seja, em um intervalo de um ano, cerca de 415.000 pessoas perderam o trabalho ou se aposentaram.

A taxa de desemprego de 7,6% veio dentro da mediana esperada por analistas consultados pela agência Estado, que projetavam um índice entre 7,40% e 8% em agosto.

“O momento do mercado de trabalho é desfavorável. Não há geração de vagas no mercado de trabalho e a fila da desocupação está aumentando. Há uma perda de qualidade”, disse o coordenador da pesquisa no IBGE, Cimar Azeredo. “Além dos demitidos tem gente entrando no mercado para complementar a renda familiar”, completou.

O rendimento médio real dos trabalhadores, por sua vez, registrou um aumento de 0,5% em agosto ante julho. No entanto, em comparação com igual mês de 2014, o índice recuou 3,5%.

Os dados fazem parte da Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, que é realizada nas regiões metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre.

Continua após a publicidade

Na comparação anual, o IBGE verificou aumento nas taxas de desemprego em todas as seis regiões. A maior alta foi observada no Rio de Janeiro (71,6%) e a menor em Porto Alegre (24%).

No comparativo anual, os segmentos que mais tiveram perda de vagas foi a indústria, com baixa de 197.000 vagas, seguida pela construção, com redução de 120.000 vagas. Entre julho e agosto, os ramos de educação, saúde, administração pública e o de serviços domésticos puxaram o avanço do desemprego, com 10.000 vagas a menos de cada atividade.

O mercado de trabalho vem em contínua deterioração desde o final de 2014, somando-se à inflação, juros elevados e à economia em recessão que completam o quadro de crise econômica do país no momento atual.

Leia também:

Obras paradas elevam desemprego pelo Brasil

Apesar de restrições, gasto do governo com seguro-desemprego sobe

Desemprego sobe e atinge 8,3% no 2º trimestre, diz IBGE

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade