Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Desemprego cai a 6,4% e interrompe série de altas

Taxa registrada em abril é a menor para o mês desde 2002, de acordo com IBGE

A taxa de desemprego teve sua primeira queda – ainda que mínima – desde dezembro do ano passado, fechando o mês de abril em 6,4%, de acordo com a Pesquisa Mensal do Emprego (PME), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em março, o índice era de 6,5% – o IBGE classificou a variação como “estável”. O número de desempregados permaneceu em cerca de 1,5 milhão de pessoas. A taxa é a menor para meses de abril desde que a PME foi reformulada pelo IBGE, em 2002.

Desde dezembro passado, quando IBGE mediu uma taxa de 5,3%, o índice vinha subindo – com 6,1% em janeiro e 6,4% em fevereiro, até atingir os 6,5% em março. O número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado ficou em 10,8 milhões e não apresentou variação significativa em relação a março. Já em relação a abril do ano passado, a alta foi de 6,8% – o que representa a criação de 686.000 postos de trabalho.

Regiões – Na comparação anual, o número de desempregados oscilou de forma significativa nas regiões metropolitanas de Recife e do Rio de Janeiro, com quedas de 16,2% e 18%, respectivamente. Em relação a março, o IBGE não verificou variação em nenhuma das regiões pesquisadas.

Renda – O rendimento médio domiciliar recuou 2,3% em abril, na comparação com março, mas teve alta de 3,3% na comparação com abril de 2010. Já o rendimento real dos trabalhadores na análise regional, em relação a março caiu 4,1% em Recife, 0,6% em Belo Horizonte, 3,3% no Rio de Janeiro e 1,9% em São Paulo. O número apresentou alta de 3% em Salvador e de 0,6% em Porto Alegre. Na comparação com abril de 2010, houve crescimento em Recife, 6,3%, Salvador, 2,0%, Belo Horizonte, 5,8%, Rio de Janeiro, 4,3% e em Porto Alegre, 2,3%. Em São Paulo o rendimento apresentou queda de 1,0%.