Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Desemprego bate recorde na zona do euro em julho

Segundo a Eurostat, 18 milhões de pessoas estão desocupadas na região, cuja inflação subiu em agosto para 2,6%

Por Da Redação 31 ago 2012, 09h37

O número de pessoas desempregadas nos 17 países da zona do euro bateu novo recorde em julho. Segundo a Agência Europeia de Estatísticas (Eurostat), 18 milhões de pessoas estavam desocupadas no sétimo mês na região. O resultado representa uma taxa de desemprego de 11,3% da população economicamente ativa, mesma do mês anterior depois de sua revisão. Este é o 15º mês consecutivo em que o indicador supera 10%.

Entre os membros da eurozona, a Espanha lidera a lista do desemprego, com um índice 25,1%, seguida pela Grécia, com 23,1%.Na ponta contrária, a Áustria é o país que registra a menor taxa de desemprego, a 4,5%, seguida por Holanda (5,3%), Alemanha e Luxemburgo (5,5% cada).

Leia mais:

Empréstimo bancário para empresas cresce na eurozona

Saída da Grécia do euro seria um fracasso da Europa, diz Espanha

Merkel cita vontade política de fortalecer o euro; China promete investimentos

Continua após a publicidade

Reformas dos países periféricos da eurozona não bastam, diz Moody’s

Preços – A Eurostat também divulgou nesta sexta-feira a primeira estimativa de inflação na zona do euro para agosto, que subiu para 2,6% contra 2,4% de julho. A taxa veio acima da expectativa de analistas ouvidos pela Agência Reuters, que apostavam em 2,5%. Este é o 21º mês consecutivo que o índice supera a barreira de 2%, fixada como centro da meta pelo Banco Central Europeu (BCE).

“Essa é a primeira vez que a taxa de inflação da zona do euro acelerou desde setembro do ano passado, e achamos que deve subir mais em setembro”, escreveu em nota o economista do Barclays Capital François Cabau.

O mercado acredita que, com os novos dados, o BCE decida reduzir novamente os juros da região em sua próxima reunião na quinta-feira. O BCE quer manter a inflação abaixo, mas próximo, de 2%, e espera que a taxa caia mais ainda até o fim do ano. O banco também busca maneiras de impulsionar o crescimento econômico em uma zona do euro estagnada e pode reduzir na próxima semana sua principal taxa de refinanciamento, que está em 0,75%.

Contudo, a alta do desemprego deve limitar as pressões inflacionárias nos próximos meses, o que o BCE pode ver como um argumento a favor de cortar os juros. O Produto Interno Bruto da zona do euro ficou inalterado no primeiro trimestre do ano na comparação trimestral e contraiu 0,2% no segundo.

(Com agências Reuters e France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)