Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Desaceleração no país é sentida por empresas na Europa

Empresas têm apontado enfraquecimento da economia brasileira em seus balanços

Por Da Redação
21 ago 2013, 16h49

O impacto da desaceleração da economia brasileira já atravessou o Oceano Atlântico. Ao longo das últimas semanas, diversas multinacionais europeias publicaram balanços que revelaram o efeito negativo do quadro macroeconômico no Brasil. Aos analistas e investidores, executivos explicam que a atividade mais lenta diminuiu as vendas e afetou o resultado. Para piorar, a desvalorização do real reduz ainda mais o lucro quando o valor é convertido para o euro. Resultado: filiais brasileiras decepcionaram.

Anos atrás, o Brasil era motivo de satisfação para multinacionais instaladas no país. Com o boom das commodities e o forte crescimento da demanda interna, resultados vistosos chamaram a atenção do mundo. O quadro, porém, parece que mudou: agora, balanços mostram deterioração do desempenho das filiais brasileiras e executivos precisam se explicar aos acionistas. O fenômeno foi visto em diversas companhias europeias, de fabricantes de produtos químicos a montadoras, passando por bancos, operadoras de telefonia e fabricantes de máquinas e equipamentos.

Leia também:

Com real fraco, Latam tem prejuízo de US$ 330 milhões

Confiança na economia cai ao nível da crise de 2009

O Brasil teve um resultado mais fraco que o esperado diante de uma surpresa com as dificuldades na economia�, disse o presidente da suíça ABB, Joe Hogan, em teleconferência com investidores no fim de julho. No balanço, o motivo da frustração era evidente: as receitas da filial caíram 44% no segundo trimestre na comparação com igual período de 2012. Com isso, o Brasil derrubou o resultado da ABB nas Américas, que caiu 6% no período.

Continua após a publicidade

Enquanto o Brasil frustrou expectativas, as demais filiais da região avançaram: a unidade da ABB nos Estados Unidos registrou pequena alta de 1% nas vendas e o México teve um salto de 73% no faturamento – o maior aumento entre todas as filiais. “Temos boas oportunidades no setor da construção e na distribuição de energia nos EUA�, disse Hogan, ao mostrar que a multinacional aposta mais fichas no norte do continente.

Na Alemanha, a fabricante de matérias-primas químicas Basf não detalha números por país, mas mostrou que, entre as filiais das Américas, há duas tendências: desaceleração no Brasil e aceleração nos EUA. �Devido à fraqueza do comércio exterior e da pequena alta no gasto dos consumidores, o crescimento do Brasil foi restrito no primeiro semestre�, informou o balanço, que também mostra uma desaceleração da China. Por outro lado, há sinais positivos em economias centrais. �Apesar da política fiscal, os Estados Unidos apresentaram crescimento moderado�, informou a companhia, que destaca a reação do Japão.

Montadoras – Apesar de manter certo fôlego, balanços mostram que o mercado de automóveis também dá sinais de cansaço no Brasil. Na Volkswagen, a venda de veículos somou 370 mil unidades de janeiro a julho de 2013, 1,9% menor do que foi registrado há um ano. Na francesa PSA Peugeot Citroën, o número de carros produzidos no país caiu em 2%, para 61 mil unidades. Para a Renault, a desaceleração de mercados emergentes, entre eles o Brasil, é uma das principais ameaças. �Há risco na demanda de curto prazo em mercados-chave: Brasil, Rússia e Turquia�, disse o diretor de operações , Carlos Tavares.

Leia ainda:

Telefônica Brasil lucra 16% menos no 2º trimestre

Prévia do PIB sobe 1,13% em junho, abaixo do esperado

Bancos – Longe do chão de fábrica, bancos também perderam. A filial brasileira do britânico HSBC teve lucro 70% menor no semestre em comparação com 2012. �O Brasil está crescendo menos e o consumo está crescendo menos�, disse o diretor executivo do HSBC, Stuart Gulliver, na apresentação do resultado em Londres. Na Espanha, o resultado gerado pelo Santander Brasil caiu 15,8% no segundo trimestre na comparação com os três primeiros meses do ano devido ao �menor crescimento do mercado de crédito�, que afetou a casa.

Não foi só a desaceleração da economia que prejudicou balanços. A desvalorização do real diminuiu o resultado das filiais quando o valor é convertido em euros ou libras para ser declarado no balanço das sedes. A Telefónica, por exemplo, registrou queda de 3,9% no faturamento trimestral da subsidiária brasileira que é dona da Vivo. Esse foi o pior desempenho entre as dez filiais na América Latina. A operadora explicou a piora especialmente pelo enfraquecimento da moeda brasileira.

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.