Clique e assine com até 92% de desconto

Depois de desistência da Boeing, Embraer inicia enxugamento

Companhia anuncia programa de demissões, mesmo depois de conseguir empréstimo de 300 milhões de dólares do BNDES

Por Victor Irajá Atualizado em 2 jul 2020, 18h07 - Publicado em 2 jul 2020, 15h33

Desde que foi frustrada a negociação com a americana Boeing, a fabricante de aeronaves brasileira Embraer voa em céus turbulentos. Com a devassa causada pela pandemia do novo coronavírus, a empresa adotou uma série de medidas para garantir seu respiro e garantir a continuidade dos negócios. Para preservar os empregos e tornar possível a sobrevivência num momento tão duro, foram estabelecidas, desde o mês de março, medidas como implantação do trabalho remoto, concessão de férias coletivas, suspensão temporária dos contratos de trabalho e redução da jornada de trabalho. Nesta quinta-feira, 2, a empresa foi além e anunciou a medida mais profunda até o momento. A Embraer discute com sindicatos a abertura de um Programa de Demissão Voluntária (PDV) para um grupo de colaboradores que, segundo a empresa, está atualmente em férias coletivas e irá iniciar período de licença remunerada. A empresa tem, no total, cerca de 18 mil funcionários (16 mil deles no Brasil), mas segundo fontes ouvidas por VEJA, uma pequena parcela deverá ser acoplada no programa, já que a maioria dos funcionários está trabalhando, seja presencialmente ou em esquema de home-office.

A proposta de pacote de incentivo para quem aderir ao programa inclui extensão do plano de saúde para o colaborador e dependentes por seis meses, auxílio-alimentação de 450 reais mensais pelo mesmo período, apoio para recolocação no mercado, indenização do restante da estabilidade do acordo coletivo que se encerra em agosto, verbas rescisórias comuns a desligamentos sem justa causa e mais uma indenização de 10% do salário-base nominal por ano de empresa. Para quem recebe até 9 mil reais, a garantia compreende o pagamento de um salário nominal como indenização. Para os funcionários que recebem acima desse valor, a garantia gira em torno de, no mínimo, 9 mil reais em indenizações. Para quem optar pelo plano voluntário, a data de desligamento está prevista para 20 de julho.

Recentemente, foi iniciado o processo de reintegração da unidade de aviação comercial com uma reestruturação para reduzir duplicidades de funções e recuperar sinergias. A empresa vem ainda buscando parcerias para desenvolvimento de novos produtos e negociação de empréstimos para atender as necessidades de financiamento de exportações e de capital de giro.

ASSINE VEJA

Wassef: ‘Fiz para proteger o presidente’ Leia nesta edição: entrevista exclusiva com o advogado que escondeu Fabrício Queiroz, a estabilização no número de mortes por Covid-19 no Brasil e os novos caminhos para a educação
Clique e Assine

Em meados do mês passado, o Banco Nacional de Desenvolvimento Social, o BNDES, anunciou a aprovação de um empréstimo de 300 milhões de dólares — o equivalente a 1,5 bilhão de reais — para socorrer a companhia. O financiamento faz parte de um pacote de crédito oferecido por um consórcio de bancos, que pode chegar até a 600 milhões de dólares — ou 3 bilhões de reais —, dependendo da adesão das instituições financeiras. Com a devassa causada pela Covid-19 nas operações e vendas de avião, a Boeing desistiu da fusão negociada com a brasileira.

O acordo era avaliado em 4,2 bilhões de dólares pela compra da empresa brasileira. Além do coronavírus, a pressão do presidente americano, Donald Trump, em meio ao auxílio destinado pelo governo dos Estados Unidos para manter a empresa viva com as dificuldades amargadas pelo setor aéreo graças à pandemia, inviabilizou as negociações.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade