Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Demanda por voos no Brasil cresce 6,77% em novembro

É a décima quarta alta mensal consecutiva, segundo a Anac. Oferta avança 4,27%

Por Da Redação 23 dez 2014, 19h58

A demanda por voos dentro do Brasil subiu 6,77% em novembro em relação ao mesmo período do ano passado, em seu décimo quarto mês seguido de expansão. É a maior alta para o mês em dez anos, informou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) nesta terça-feira.

Azul e Avianca tiveram destaque no crescimento da demanda, de 35,2% e 14,6%, respectivamente. No entanto, no caso da Azul, a alta é influenciada pela unificação das operações com a Trip. Segundo a agência reguladora, Gol e TAM tiveram o mesmo índice de aumento, de 6%.

Já a oferta de assentos pelas companhias aéreas no mês passado subiu 4,27% contra o mesmo período de 2013, terceiro mês consecutivo de expansão. Segundo a Anac, foi o primeiro mês de 2014 em que todas as principais empresas brasileiras tiveram crescimento da oferta doméstica contra igual mês de 2013. A taxa de ocupação das aeronaves fechou novembro em 81,2%, ante 79,3% no mesmo mês do ano passado.

Leia também:

Gol e TAM perdem participação de mercado em setembro

Aéreas brasileiras encerraram terceiro ano no vermelho

Continua após a publicidade

Ano – De janeiro a novembro, a demanda por voos domésticos acumulou alta de 5,64%, e a oferta subiu 0,53%, com a taxa de ocupação de 79,7%. A TAM manteve a liderança do mercado de voos domésticos, com fatia de 38,5%, ante 38,8% um ano antes, seguida por Gol, com 36,1%, ante 36,4% em novembro de 2013. A Azul ampliou a participação para 16,4%, contra 12,9% em novembro de 2013, ao passo que a fatia da Avianca Brasil cresceu para 8,3%, contra 7,7%.

Leia mais:

Azul e Avianca ganham vagas em Congonhas

TAM cancela voos para a Argentina por causa de greve

Internacional – A demanda por voos internacionais de passageiros das empresas brasileiras cresceu 4,61% em novembro, na comparação anual, nono mês seguido de alta. A oferta subiu pelo quarto mês seguido, em 3,41%. A taxa de ocupação ficou em 80,6%, ante 79,7% em novembro do ano passado.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade