Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Demanda do por crédito bate recorde em agosto, aponta Serasa

Consumidores da região Nordeste lideraram a expansão da busca por crédito

Todas as faixas de rendimento pessoal mensal apresentaram crescimento em suas demandas por crédito em agosto

A quantidade de pessoas que procurou crédito durante o mês de agosto cresceu 3,6% frente ao mês anterior. Com isso, o indicador atingiu o maior nível de toda a série histórica, iniciada em janeiro de 2007, segundo o indicador da Serasa Experian. Na comparação com agosto do ano passado, a procura por crédito avançou 14,3%. Com este resultado, o crescimento acumulado anual recuou ligeiramente de 15,5% para 15,3% no período de janeiro a agosto, na comparação com os mesmos períodos de 2009.

De acordo com os economistas da Serasa, a confiança dos consumidores em alta e o bom momento do mercado de trabalho, com evolução favorável do emprego e da renda, continuam estimulando a busca do crédito por parte das pessoas físicas. Além disto, o mês de agosto também foi favorecido pela data comemorativa do Dia dos Pais, impulsionando as vendas realizadas mediante financiamentos.

Regiões – No mês, o crescimento da procura por crédito foi liderado pelos consumidores da região Nordeste, com alta de 7,3% frente a julho. As regiões Sudeste e Centro-Oeste, com crescimentos idênticos de 4,3% apareceram na segunda posição e a região Sul registrou um avanço de apenas 0,6%. A única região que registrou queda na procura de seus consumidores por crédito foi a Norte, com recuo de 4,4%, após a forte elevação de 23,8% observada em julho.

Renda – Todas as faixas de rendimento pessoal mensal apresentaram crescimento em suas demandas por crédito em agosto. Os destaques ficaram pelos consumidores que ganham entre R$ 2.000 e R$ 5.000 mensais, com alta de 4,3% e os que possuem rendimento entre R$ 5.000,00 e R$ 10.000,00 por mês, com alta de 4,7%. As demais faixas de rendimento apresentaram crescimento de suas demandas por crédito muito próximas da média geral (elevação de 3,6% em agosto).