Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Demanda de crédito por pessoa jurídica aumentou 28,3% durante a pandemia

Estudo mostra como o instrumento foi fundamental para amenizar os impactos da crise causada pela Covid-19 tanto para pessoas físicas quanto para empresários

Por Luisa Purchio Atualizado em 19 out 2021, 18h11 - Publicado em 19 out 2021, 16h21

Um estudo realizado pela fintech Vadu com base em dados do Banco Central mostra que o crédito foi e continua fundamental para pessoas físicas e empresas se recuperarem da crise econômica causada pela Covid-19. De janeiro de 2020 a junho de 2021, a concessão de crédito para a pessoa jurídica aumentou 28,3%, de 1,385 trilhão para 1,737 trilhão de reais. No mesmo período, a concessão de crédito para pessoa física aumentou 20,5%, de 2,027 trilhões para 2,444 trilhões de reais. Somando as duas categorias, o crescimento total foi de 23,7%, de 3,412 trilhões para 4,222 trilhões de reais.

“Sempre soubemos que o ciclo produtivo teve molas amortecedoras nos momentos de crise, que são os serviços. Para esta crise da qual estamos saindo e que deve se encerrar no ano que vem, a grande mola foi o crédito, que mostrou que tem uma função social importante”, diz Ubiratan Lima, economista-chefe da Vadu. “Ele atuou muito mais como um fomento à subsistência do que como um subsídio à produção, permitindo a flexibilização das negociações e o alongamentos de dívidas”, diz ele, que chama atenção para o aumento da liquidez das operações no primeiro trimestre de 2021 principalmente para a pessoa jurídica no que de relaciona à antecipação de recebíveis, e para a pessoa física em relação à agroindústria.

Outros fatores que impulsionaram a oferta de crédito foram a agenda do Open Banking, do Banco Central, que permitiu a entrada de novos competidores que ampliaram a oferta para o consumidor, como bancos digitais, financeiras e fintechs.

Além disso, a Selic, no menor patamar da série histórica até maio deste ano, também estimulou o crédito. Esse último fator, porém, tem mudado de figura. Com o aumento da inflação e com o risco fiscal elevado, a taxa básica de juros vem se elevando: saiu de 2% no fim do ano passado para os atuais 6,25% ao ano. A aposta do mercado financeiro é que a taxa de juros encerre 2021 em 8,25%.

Continua após a publicidade

Publicidade