Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Déficit financeiro da Argentina sobe 291%

Em junho, o rombo da conta financeira do país chegou a US$ 2 bilhões, quase quatro vezes mais do que no mesmo mês de 2013

Por Da Redação 19 ago 2014, 12h53

A Argentina não apenas enfrenta dificuldades para negociar com os credores que não aceitam renegociar suas dívidas, como também registra um rombo nas contas públicas alarmante. Segundo dados do Ministério da Economia do país, o déficit financeiro (receitas menos despesas na conta financeira) chegou a 2 bilhões de dólares em junho, 291% maior do que o vista no mesmo mês de 2013. Nos seis primeiros meses do ano, o país registra um déficit financeiro de 4,45 bilhões de dólares.

Os gastos públicos aumentaram 56,5% na comparação anual, com o governo de Cristina Kirchner subsidiando empresas privadas na área de energia, transporte público, aéreo (caso da companhia Aerolíneas Argentinas), entre outros. Tudo para evitar repasses astronômicos de preços aos consumidores, dentro de sua política de contenção de inflação. A folha de pagamento estatal também prejudicou, ao aumentar 27% desde a posse de Cristina

A conta só não está pior porque o banco central do país e o sistema previdenciário geraram uma receita de 2,99 bilhões de dólares aos cofres públicos. No primeiro semestre, a conta total das receitas menos despesas do setor público (incluindo a conta financeira) tem um superávit de 2,2 bilhões, inferior ao visto no mesmo período de 2013 (566 milhões de dólares). Economistas estimam que, desconsiderando o dinheiro que entrou via BC e Previdência, a conta fiscal estaria negativa em 10,72 bilhões de dólares no primeiro semestre do ano. A expectativa de analistas é que o governo de Cristina Kirchner feche 2014 com um déficit fiscal de 28,91 bilhões de dólares.

Leia mais:

Argentina pede que Obama intervenha em disputa com credores

Empresas brasileiras reduzem investimento na Argentina

Justiça argentina abre mais um processo contra vice-presidente

(Com Estadão Contéudo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)