Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Déficit comercial dos EUA aumenta mais que o esperado

Importações subiram para o maior nível em um ano e podem impactar as estimativas de crescimento do país

Por Da Redação 14 nov 2013, 14h28

O déficit comercial dos Estados Unidos aumentou mais que o esperado em setembro, resultado de um aumento nas importações. Economistas acreditam que o resultado pode afetar as previsões de crescimento para a economia americana. As exportações caíram 0,2% em setembro ante agosto, a 188,9 bilhões de dólares, enquanto as importações avançaram 1,2%, a 230,7 bilhões de dólares, fazendo o déficit comercial crescer pelo terceiro mês consecutivo.

O Departamento do Comércio informou, nesta quinta-feira, que o déficit aumentou 8% para 41,8 bilhões de dólares, o maior nível desde maio. Em agosto, ele foi revisado para 38,7 bilhões de dólares, ante os 38,8 bilhões divulgados anteriormente. Economistas esperavam que o déficit comercial subisse levemente para 39 bilhões de dólares em setembro.

O recuo das exportações foi generalizado, com demanda menor por insumos para a indústria e por bens de consumo e de capital.

No acumulado de janeiro a setembro, as vendas dos EUA para a União Europeia caíram 2,7% ante igual período do ano passado. As exportações para o Reino Unido recuaram 15,1% e os embarques para a Alemanha tiveram queda de 4,5%.

Déficit fiscal – O déficit fiscal dos Estados Unidos, divulgado na quarta-feira, sofreu queda em outubro. A cifra foi de 91,6 bilhões de dólares, o que representa uma queda de 23,7% com relação a outubro do ano passado. A tendência nos últimos meses foi de queda do déficit.

Continua após a publicidade

Ao longo do ano fiscal 2013, encerrado em setembro, o déficit fiscal norte-americano caiu 38% na comparação anual, a maior queda dos últimos 45 anos, pelo impacto de uma alta dos impostos e de cortes automáticos nos gastos públicos.

Leia também:

Déficit fiscal dos EUA cai em outubro a US$ 91,6 bilhões

Tesouro americano vende ações da GM por US$1,2 bi

Fitch afirma que pode cortar rating AAA dos Estados Unidos

(com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade