Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dados indicam que economia chinesa pode precisar de ação urgente

As exportações em julho subiram apenas 1 por cento ante o ano anterior e novos empréstimos atingiram mínima de 10 meses

Dados da China divulgados nesta sexta-feira garantiram um novo golpe contra as autoridades monetárias do país, depois que a balança comercial e os novos empréstimos bancários sugeriram que as políticas pró-crescimento têm mostrado lentidão nos resultados e mais ações urgentes podem ser necessárias para estabilizar a economia.

As exportações em julho subiram apenas 1 por cento ante o ano anterior e novos empréstimos atingiram mínima de 10 meses, o que se somou a dados na quinta-feira mostrando que a produção industrial cresceu no ritmo mais lento em três anos.

Os primeiros dados de peso do terceiro trimestre levaram alguns analistas a questionar a força do que se esperava ser o início de uma recuperação da economia chinesa depois do crescimento desacelerar por seis trimestres seguidos.

“Achamos que o banco central deve agir o mais rapidamente possível para estabilizar a economia. Espero que haja ao menos mais um corte no compulsório e da taxa de juros neste trimestre”, disse Xiao Bo, economista do Huarong Securities.

Leia também:

Desaceleração chinesa é ruim para o Brasil, mas boa para o mundo, diz economista

Alguns economistas dizem que o BC chinês pode agir neste fim de semana para afrouxar a política monetária. O banco central já reduziu a taxa de compulsório três vezes desde novembro para liberar estimados 1,2 trilhão de iuans (190 bilhões de dólares) para novos empréstimos e cortou a taxa de juros em junho e julho.

Novos empréstimos bancários líquidos em julho de apenas 540 bilhões de iuans contra expectativa de 690 bilhões são uma potencial grande causa de preocupação. Os financiamentos bancários são o principal mecanismo de criação de crédito na economia chinesa.

O número baixo soma-se a temores de queda na demanda dos dois maiores clientes da China –União Europeia e Estados Unidos– o que já fez economistas reduzirem sua previsão de crescimento anual das exportações para 8,6 por cento, segundo pesquisa da Reuters na semana passada.

Excluindo queda das exportações em janeiro, a alta de 1 por cento em julho é a mais fraca desde novembro de 2009 e marcou um grande retrocesso em relação ao crescimento em junho de mais de 11 por cento na comparação anual, segundo dados da Reuters. Os embarques para a União Europeia caíram mais de 16 por cento.

(Com agência Reuters)