Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Curitiba é a capital com mais famílias endividadas no Brasil

Em 2013, capital paranaense tinha 87% de suas famílias endividadas, segundo levantamento da FecomercioSP. Em seguida, aparecem Florianópolis, Brasília, Belém e Palmas

Por Da Redação 1 set 2014, 18h40

Curitiba foi a capital brasileira que registrou o maior nível de famílias endividadas em 2013, com um índice de 87%, segundo levantamento da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Em seguida, aparecem no ranking as cidades de Florianópolis (86%), Brasília (84%), Belém (78%) e Palmas (78%).

O comprometimento da renda dos brasileiros com dívidas é evidente, também, nos dados sobre as cidades com menor nível de endividamento. As cinco capitais com os menores níveis têm, pelo menos, metade de suas famílias com algum tipo de dívida. Entre elas estão Porto Alegre (60%), Cuiabá (60%), São Paulo e Belo Horizonte, ambas com 53%, e Goiânia (46%).

No geral, a fatia de famílias endividadas no Brasil acelerou para 63% no ano passado, ante 59% em 2012. No período, houve acréscimo de 770 mil famílias com algum tipo de crédito ou financiamento. O valor mensal das dívidas aumentou 8%, de 14,9 bilhões de reais para 16,1 bilhões de reais.

Apesar disso, a parcela mensal das dívidas por família brasileira recuou 1,5%, ao passar de 1.869,00 reais para 1,840,00 reais. De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, essa queda contribuiu diretamente para manter o comprometimento da renda em 30%, nível considerado “razoavelmente adequado” para não sinalizar um eventual risco de estouro da inadimplência.

Leia mais:

Juro para pessoa física atinge recorde de 43,2% em julho

Continua após a publicidade

Inadimplência do consumidor sobe 11% em julho, aponta Serasa

Teste mostra quem é um consumidor compulsivo

Estoque de crédito sobe 13,4% no Brasil em abril

Em nota enviada à imprensa, economistas da FecomercioSP afirmam que os dados revelam que o consumidor ficou mais “cauteloso” na tomada de crédito, principalmente em razão da alta dos juros, o que justifica a estabilidade do nível de inadimplência. A entidade lembra que esse comportamento impactou diretamente no desempenho do varejo, que registrou crescimento “bem abaixo da média” em 2013, que persiste em 2014.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)