Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Curitiba é a capital com mais famílias endividadas no Brasil

Em 2013, capital paranaense tinha 87% de suas famílias endividadas, segundo levantamento da FecomercioSP. Em seguida, aparecem Florianópolis, Brasília, Belém e Palmas

Curitiba foi a capital brasileira que registrou o maior nível de famílias endividadas em 2013, com um índice de 87%, segundo levantamento da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Em seguida, aparecem no ranking as cidades de Florianópolis (86%), Brasília (84%), Belém (78%) e Palmas (78%).

O comprometimento da renda dos brasileiros com dívidas é evidente, também, nos dados sobre as cidades com menor nível de endividamento. As cinco capitais com os menores níveis têm, pelo menos, metade de suas famílias com algum tipo de dívida. Entre elas estão Porto Alegre (60%), Cuiabá (60%), São Paulo e Belo Horizonte, ambas com 53%, e Goiânia (46%).

No geral, a fatia de famílias endividadas no Brasil acelerou para 63% no ano passado, ante 59% em 2012. No período, houve acréscimo de 770 mil famílias com algum tipo de crédito ou financiamento. O valor mensal das dívidas aumentou 8%, de 14,9 bilhões de reais para 16,1 bilhões de reais.

Apesar disso, a parcela mensal das dívidas por família brasileira recuou 1,5%, ao passar de 1.869,00 reais para 1,840,00 reais. De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, essa queda contribuiu diretamente para manter o comprometimento da renda em 30%, nível considerado “razoavelmente adequado” para não sinalizar um eventual risco de estouro da inadimplência.

Leia mais:

Juro para pessoa física atinge recorde de 43,2% em julho

Inadimplência do consumidor sobe 11% em julho, aponta Serasa

Teste mostra quem é um consumidor compulsivo

Estoque de crédito sobe 13,4% no Brasil em abril

Em nota enviada à imprensa, economistas da FecomercioSP afirmam que os dados revelam que o consumidor ficou mais “cauteloso” na tomada de crédito, principalmente em razão da alta dos juros, o que justifica a estabilidade do nível de inadimplência. A entidade lembra que esse comportamento impactou diretamente no desempenho do varejo, que registrou crescimento “bem abaixo da média” em 2013, que persiste em 2014.

(Com Estadão Conteúdo)