Clique e assine a partir de 8,90/mês

Cristina Kirchner defende protecionismo argentino

Presidente argentina afirma que barreiras de países desenvolvidos são maiores que as mantidas pelo governo dela

Por Da Redação - 25 Maio 2012, 19h20

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, contestou nesta sexta-feira as críticas contra suas políticas protecionistas e falou em ‘transferir o cargo’, coincidindo com o debate aberto dentro da Casa Rosada sobre seu futuro político. Durante comício de caráter nacionalista em Barilhoche, ela afirmou que as barreiras protecionistas de países desenvolvidos, como os membros da União Europeia (UE), são maiores que as mantidas pela Argentina. “Quando veem isto, é como se existisse um protecionismo legal, o dos desenvolvidos, e um populista, o dos emergentes. E não é bem assim”, afirmou. Horas antes, em Genebra, na Suíça, a Comissão Europeia (CE) denunciou o país na Organização Mundial do Comércio (OMC) por restrições às importações.

Leia mais:

UE denuncia Argentina na OMC por restrições às importações

Argentina suspende restrições à carne suína brasileira

Argentina impede entrada de calçados brasileiros

A governante liderou um grande comício em Bariloche para comemoração do aniversário da revolução da independência do país. Em seu discurso, não se referiu explicitamente à denúncia apresentada pela CE na OMC. Ela insistiu que as barreiras às importações não são contraditórias com a presença da Argentina em foros multilaterais, como o G20, e nem devem ser interpretadas como ameaça por outros países.

Continua após a publicidade

“Acho que, como membros do G20, isso não deve se contrapor aos interesses de outros países do mundo. O problema não está entre as economias de produção. O problema está em uma economia global que ainda não conseguiu convencer os grandes líderes de que as políticas de ajuste só trazem miséria, fome, dor e mudanças políticas imprevisíveis”, declarou.

Segundo a presidente, a América Latina possui hoje uma “excelente oportunidade” para a articulação das economias. “Precisamos nos constituir definitiva e seriamente como um bloco muito importante no mundo para lutar pela segunda parte da independência”, destacou.

Em discurso carregado de evocações a seu falecido marido e antecessor, Néstor Kirchner, no nono aniversário da chegada do kirchnerismo ao poder, Cristina insistiu na continuidade do modelo, embora tenha admitido que “transferir o cargo é inevitável’. “Aos que acreditam na eternidade, rezem um terço à noite e percebam o quão frágeis somos todos”, pediu.

YPF – “Devolvemos aos argentinos a pátria que lhes tinham tomado”, acrescentou a governante, que aproveitou também a oportunidade para defender a recente nacionalização da petrolífera YPF, antes controlada pela espanhola Repsol. “Ver o edifício da YPF iluminado com as cores da Argentina, azul e branco, me deixou emocionada”, admitiu Cristina em alusão às luzes da sede central da companhia petrolífera, no bairro de Puerto Madero.

De acordo com a presidente, expropriar a YPF dará à Argentina independência energética. “É a soberania em hidrocarbonetos que vai nos permitir voltar a ser o país que já fomos e voltar nos autoabastecer’.

(com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade