Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Crise consumiu R$ 7,6 bi das empresas X – dívida alcança R$ 25 bilhões

Em um ano, grupo EBX, de Eike Batista, viu seu caixa despencar de R$ 10,22 bilhões para R$ 2,6 bilhões

Em um ano, a crise que se abateu sobre o grupo EBX, do empresário Eike Batista, consumiu 7,63 bilhões de reais do caixa das seis companhias de capital aberto. Em junho do ano passado, as empresas tinham 10,22 bilhões de reais em caixa. Agora, essa cifra está em 2,6 bilhões de reais, segundo levantamento da consultoria Economatica. A petroleira OGX, por exemplo, acumulava um caixa de 5,9 bilhões de reais quando anunciou a produção abaixo da esperada no campo Tubarão Azul, há um ano. Hoje, tem 88% menos: 722 milhões de reais.

Por outro lado, a dívida aumentou de 21 bilhões de reais para mais de 25 bilhões de reais em 12 meses. A situação mais crítica também é da OGX, que detém uma dívida de aproximadamente de 7,9 bilhões de reais. A empresa contratou a consultoria financeira americana Blackstone para coordenar a reestruturação da dívida. Segundo fontes, os consultores também negociam a venda de ativos da petroleira de Eike Batista

Leia mais:

OSX propôs acordo ao BNDES para adiar o pagamento das dívidas

Empresas de Eike ampliam perdas no segundo trimestre

A OSX, braço de construção naval da EBX, também está em processo de rolagem de dívidas de 827 milhões de reais com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES) e a Caixa Econômica Federal (CEF), que vencem em outubro e se referem ao financiamento das obras do estaleiro no superporto do Açu, em São João da Barra (RJ). A OSX também negocia ainda com o BNDES um empréstimo para a plataforma WHP-2, afetada pela OGX e orçada em cerca de 750 milhões de reais.

No processo de melhorar a situação financeira do grupo, Eike confirmou na quarta-feira a venda do controle da LLX, empresa de logística e dona do Porto Açu, para o grupo EIG Global Energy Partners por 1,3 bilhão de reais.

Ao comentar o assunto, o diretor-presidente da OSX, Carlos Bellot, disse na quinta-feira que a venda da LLX não trará impacto negativo para o estaleiro, cliente da LLX. �”Vemos com bons olhos o caminho que o grupo (EBX) está seguindo, mas isso não tem impacto direto na OSX”�, disse.

(com Estadão Conteúdo)