Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Crescimento da China desacelera no terceiro trimestre

PIB do país asiático registrou avanço de 7,4% nos últimos três meses, um número 0,2% abaixo daquele alcançado entre abril e junho de 2012

Por Da Redação 18 out 2012, 02h17

O Produto Interno Bruto (PIB) da China cresceu 7,4% no terceiro trimestre do ano na comparação com o mesmo período de 2011, informou nesta quinta-feira o Birô Nacional de Estatísticas do país. O avanço está abaixo dos 7,6% registrados no segundo trimestre do ano, indicando uma desaceleração do crescimento do país asiático em 2012.

Leia também:

PIB da China deve crescer 7,8% em 2012, diz BC chinês

China terá seu pior crescimento em treze anos, diz Bird

Indústria da China cresce, mas ritmo desacelera

Continua após a publicidade

A China, que cresceu 9,2% em 2011, fixou a meta de avançar 7,5% neste ano. Por enquanto, de janeiro a setembro, o país teve um aumento do PIB de 7,7%, somando nestes nove meses 35,34 trilhões de iuanes, o equivalente a 5,61 trilhões de dólares. Recentemente, o vice-presidente do BC chinês, Yi Gang, fez uma aposta otimista de 7,8% de crescimento em 2012, em função das medidas de estímulo do governo.

A desaceleração do PIB nos últimos três meses era esperava pelos especialistas, uma vez que os indicadores já apontavam uma contração da atividade industrial chinesa nos últimos meses. Na véspera da divulgação dos novos dados, o premiê Wen Jiabao assinalou que a economia do país está se estabilizando e experimentando “mudanças positivas”.

Desaceleração – Motor da economia mundial, a China registrou crescimento médio superior a 10% durante a primeira década do século XXI, mas perdeu força diante das dificuldades que vivem Europa e Estados Unidos, principais mercados das exportações chinesas.

Para evitar uma queda brutal do crescimento, o governo em Pequim tem adotado uma flexibilização monetária e reduzido o valor dos depósitos compulsórios dos bancos para permitir a concessão de mais empréstimos, além de reduzir as taxas básicas de juros. Pequim também reativou os investimentos em infraestruturas, como transportes ferroviários.

(Com agências EFE e France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade