Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cresce a confiança das pequenas e médias empresas

Por Da Redação
28 mar 2012, 14h21

Por Francisco Carlos de Assis

São Paulo – A percepção de que ocorre uma melhora na economia contribuiu para o crescimento de 2,4% no Índice de Confiança do Empresário de Pequenos e Médios Negócios no Brasil (IC-PMN) referente ao segundo trimestre deste ano. Calculado pelo Insper – Instituto de Ensino e Pesquisa e pelo Banco Santander, o indicador divulgado nesta quarta-feira atingiu 75 pontos ante a marca de 73,3 pontos registrados no período de janeiro a março. Trata-se do maior valor anotado para um segundo trimestre desde o lançamento do índice em novembro de 2008.

O IC-PMN varia em uma escala de zero a 100 pontos, sendo a graduação de 50 pontos a linha divisória entre otimismo e pessimismo dos empresários. O levantamento foi realizado de 1º a 5 de março e ouviu um universo de 1,2 mil empresários de todo o País dos setores da indústria, comércio e serviços. Eles responderam questões relativas a expectativas para seis temas: economia, ramo de atividade, faturamento, lucro, empregados e investimentos.

A confiança na economia cresceu 3,7%, passando de 71,6 pontos no primeiro trimestre para 74,3 pontos no segundo. O IC-PMN também registrou melhora nas perspectivas em relação ao ramo de atividade e ao faturamento de 3,6% e 3,7%, respectivamente. A única queda, de 0,15%, de 68,2 pontos no primeiro trimestre para 68,1 pontos na pesquisa mais recente foi registrada no item empregados.

“Melhorou a percepção do empresário em relação à economia como um todo. Para eles, o pior já passou, o Banco Central está reduzindo os juros, a renda do trabalhador continua crescendo e menos notícias ruins estão vindo lá de fora”, avalia o professor do Insper, José Luiz Rossi, em teleconferência.

Continua após a publicidade

Por ramo de atividade, o maior otimismo em relação ao segundo trimestre é o setor de serviços cuja confiança cresceu 2,8%, subindo a 75,6 pontos de 73,5 pontos no levantamento anterior. A confiança do comércio passou de 73,1 pontos no primeiro trimestre para 74,6 pontos no segundo trimestre e a confiança da indústria avançou 2,6% de 73,4 pontos para 75,3 pontos.

“Essa foi a primeira pesquisa realizada após a implementação do novo regime de tributação do Super Simples. Acreditamos que o novo regime possa ter efeito positivo no otimismo do pequeno e médio empresário e que isso já tenha impactado as percepções”, diz superintendente no segmento de Pequenas e Médias Empresas do Santander Brasil, Cézar Fischer.

De acordo com o levantamento, a região Centro-Oeste foi a que apresentou o maior crescimento da confiança, saltando 5,3% e passando de 72,6 pontos no primeiro trimestre para 76,4 pontos no segundo trimestre. Os empresários do Nordeste foram os que apresentaram o menor índice de crescimento de confiança no segundo trimestre, com o IC-PMN nordestino subindo de 73,5 pontos para 74,8 pontos. No Norte, o crescimento foi de 4,1% e no Sudeste a elevação foi de 1,8%. Já no Sul, a confiança avançou para 74,7 pontos de 72,3.

O aumento da confiança dos pequenos e médios empresários em relação ao segundo trimestre foi bem recebido pelo diretor-executivo de Pequenas e Médias Empresas do Santander Brasil, Marcelo Malanga. De acordo com ele, IC-PMN “sem sombra de dúvidas dá norte de como direcionar as nossas ações estratégicas no que se trata de empreendedorismo dentro do banco.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.