Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

CPMF de Guedes seria incapaz de cobrir a desoneração da folha sozinha

Com uma alíquota baixa, os planos do ministro vão por água abaixo, mostra estudo; alternativa seria uma alíquota que inviabilizaria a atividade econômica

Por Machado da Costa Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO , Victor Irajá
Atualizado em 15 jul 2020, 17h36 - Publicado em 15 jul 2020, 17h27

Centro de uma reforma tributária do governo, o imposto sobre movimentações financeiras voltou às rodas de discussão em Brasília. O ministro da Economia, Paulo Guedes, tem pronta uma reforma que, para desonerar a folha de pagamentos das empresas e impulsionar os empregos no país, cria um novo imposto nos moldes da extinta CPMF. Batizado nos gabinetes da Esplanada dos Ministérios de Imposto sobre Transações Financeiras, ou ITF, o imposto estudado por Guedes teria uma alíquota baixa, de 0,3% — o que seria prontamente barrado de cara no Tribunal de Contas da União. O motivo é simples: a alíquota de 0,3% não serviria, nem de perto, para suprir a arrecadação do governo da contribuição patronal para a seguridade social, o que, na prática, representa crime de responsabilidade de Jair Bolsonaro segundo a Lei de Diretrizes Orçamentárias, a LRF.

ASSINE VEJA

Vacina contra a Covid-19: falta pouco Leia nesta edição: os voluntários brasileiros na linha de frente da corrida pelo imunizante e o discurso negacionista de Bolsonaro após a contaminação ()
Clique e Assine

Um estudo do tributarista Luiz Gustavo Bichara e dos economistas José Roberto Afonso e Vilma Conceição Pinto mostra que, para suprir a queda de arrecadação do imposto sobre salários por parte do empregador, como deseja o ministro, a incidência da nova cobrança sobre movimentações financeiras deveria atingir estratosféricos 1,1% — no mínimo. Se, ainda, o governo decidir retirar do projeto a incidência do novo tributo sobre depósitos e saques, a cobrança pode atingir patamares ainda maiores. É inviável.

Trata-se de um imposto que motiva a população a fugir do sistema bancário, além de ter um nefasto efeito colateral sobre os preços de produtos e serviços, já que a mesma cobrança incide sobre o mesmo bem reiteradas vezes. “Os defensores de um tributo como a CPMF argumentam que, ao incidir sobre um volume muito grande de operações, é possível ter uma arrecadação relativamente elevada, mesmo com uma alíquota baixa o que impactaria a inflação menos do que tributos que incidem diretamente sobre produtos”, dissertam os autores da pesquisa. “A crítica mais contundente a tributos que incidem igualmente ao longo da cadeia de produção e de distribuição sem considerar o que foi cobrado nas operações anteriores é o da cumulatividade”, concluem os autores.

Continua após a publicidade

Contrariando a diretriz central da reforma do governo, os pesquisadores alertam para a, digamos, falha nos planejamentos do ministro. “Um novo imposto na linha da velha CPMF não equaciona o fiscal e, com nova conjuntura e a revolução digital, provocará um novo e enorme problema no sistema bancário, e ainda agravará ainda mais a iniquidade marcante do atual sistema tributário. É um erro insistir numa corrida por uma panaceia mitológica fiscal”, vaticinam.

Fruto de repulsa por parte dos parlamentares, um novo imposto nos moldes da CPMF é desejo antigo de Paulo Guedes e motivo de rusga com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que repete aos quatro cantos que o Congresso Nacional jamais aprovaria a volta de uma cobrança tão impopular. Como mostra VEJA, o ministro e o presidente da Câmara travam uma batalha campal pela paternidade do projeto que reconfigura a estrutura tributária do país. A reforma tributária é a bala de prata de Guedes para motivar a retomada da economia por meio do emprego passada a pandemia de Covid-19. No centro dessa batalha de egos e visões, entrou a desoneração da folha, vetada por Jair Bolsonaro na última segunda-feira, 6. A estratégia de Guedes é que os empresários e entidades que ficarão sem o benefício, que abriria um rombo de 10 bilhões de reais nos setores atingidos, pressionem pela aprovação do ITF. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.