Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Corte no Orçamento não sai antes do Copom, diz Mantega

Segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o valor do bloqueio só será definido em uma ou duas semanas, pois envolverá discussões com ministérios

Por Da Redação 11 jan 2011, 12h21

O Ministério Planejamento enviará o Orçamento de 2011 para a Fazenda nesta terça-feira

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta terça-feira que ainda não está acertado o valor total dos cortes a serem realizados no Orçamento de 2011 e que a definição só ocorrerá no decorrer das próximas semanas. “A definição da redução de gastos no Orçamento vai demorar uma ou duas semanas, ou até mais”, disse.

Com a declaração, acabou pondo fim aos rumores de que o governo já teria determinado um bloqueio de 40 bilhões de reais nos gastos e que o corte seria anunciado antes da decisão da próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que ocorrerá nesta quarta-feira. O objetivo seria impedir um aumento da taxa básica de juros (Selic). Economistas avaliam que o Copom pode subir a taxa dos atuais 10,75% ao ano para 11,25% ao ano.

O governo está determinado a fazer pesados cortes no Orçamento deste ano, inclusive como estratégia para abrir espaço para a redução dos juros e assim diminuir a valorização do real ante o dólar – às taxas atuais, o Brasil tem recebido fluxos expressivos de investimentos vindos do exterior.

Segundo Mantega, o Ministério do Planejamento mandará o detalhamento do Orçamento para a Fazenda nesta terça-feira. A partir disso, ambas as pastas começarão a discutir os cortes com os outros ministérios, o que levará tempo. “Nós vamos começar a trabalhar com cada ministério. Então, não é uma coisa rápida e fácil”, explicou.

Corte definitivo – O ministro da Fazenda frisou, por fim, que a redução das despesas do governo, a ser definida no final de janeiro ou início de fevereiro, não será revertida em nenhum momento ao longo de 2011. “Vai ser uma redução definitiva de gastos até o final do ano”, destacou.

Continua após a publicidade

Publicidade