Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Copa do Mundo 2014 terá impacto de 1,5 pp no PIB–Itaú Unibanco

Por Da Redação 28 jul 2011, 14h18

RIO DE JANEIRO (Reuters) – A realização da Copa do Mundo de 2014 no Brasil terá um impacto positivo de 1,5 ponto percentual no Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil nos próximos três anos, com criação de ao menos 250 mil empregos diretos em diferentes setores da economia, segundo estimativa apresentada nesta quinta-feira num evento oficial da Fifa.

Em um estudo sobre os impactos econômicos da realização do primeiro Mundial no país desde a Copa de 1950, o economista-chefe do Itaú Unibanco, Illan Goldfajn, disse que os investimentos públicos e privados para o evento vão alavancar o PIB e abrirão caminho para uma expansão ainda maior da economia brasileira no longo prazo.

“O impacto direto dos gastos, tanto na infraestrutura quanto os gastos do setor privado, dá um 1 por cento do PIB, e o resto vem do efeito da multiplicação. Quando um investimento é feito para a Copa tem o efeito de se multiplicar na economia”, disse Goldfajn em entrevista coletiva na Marina da Glória, onde acontecerá no sábado o sorteio das eliminatórias da Copa do Mundo – primeiro grande evento do Mundial do Brasil.

O governo federal tem orçamento previsto de 20,6 bilhões de dólares em investimentos nos estádios, aeroportos, infraestrutura de transportes e comunicações, entre outras áreas ligadas diretamente ao Mundial. Os investimentos privados se concentram no setor turístico, principalmente construção de novos hoteis.

O Banco Central estima crescimento de 4 por cento no PIB neste ano. Para o ano que vem, pesquisa realizada pelo BC junto ao mercado financeiro, aponta crescimento de 4,1 por cento. No ano passado a economia brasileira expandiu-se 7,5 por cento.

Continua após a publicidade

A melhoria da infraestrutura brasileira como um todo será importante para o Brasil ter margem de crescimento e combater a inflação nos anos seguintes à realização do Mundial, segundo Goldfajn.

“Os investimentos em infraestrutura no futuro nos ajudam a aliviar a restrição. Hoje é gasto, mas lá na frente se você tem um aeroporto maior, estradas melhores, isso significa que você tem capacidade de crescer mais”, afirmou.

O investimento total no Brasil, incluindo os setores público e privado, será de 23 por cento do PIB em 2014, disse.

Para o setor turístico, tradicionalmente um dos mais beneficiados pela realização de grandes eventos esportivos num país, a previsão do economista é que o Brasil receba 3 milhões a mais de turistas na Copa do Mundo, que trarão consigo 3 bilhões de dólares adicionais.

“Na África do Sul houve aumento de 25 por cento do turismo. Se você incluir isso no Brasil, significa que você terá 3 milhões a mais de turistas no Brasil e eles vão gastar mais 3 bilhões de dólares”, disse.

(Por Pedro Fonseca)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês