Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Contas do governo têm pior resultado em 19 anos no acumulado de 2015

De janeiro a setembro, governo federal, Banco Central e Previdência tiveram um déficit primário de 20,93 bilhões de reais, pior resultado para o período desde 1997

Por Da Redação
29 out 2015, 09h28

As contas do governo central (governo federal, Banco Central e Previdência Social) registraram um déficit primário (gasto superior a receita) de 20,93 bilhões de reais no acumulado do ano. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira pelo Tesouro Nacional. Este é o pior resultado observado no período desde o início da série histórica, em 1997. Até então, o pior desempenho havia sido computado nos nove primeiros meses de 2014, com déficit de 15,71 bilhões de reais.

Só em setembro, o governo central teve um déficit primário de 6,93 bilhões de reais. O resultado veio melhor do que o esperado pelos analistas, que esperavam rombo de 14,6 bilhões de reais.

No mês passado, os gastos do governo central somaram 89,428 bilhões de reais, queda real (descontada a inflação) de 16,8% frente a igual mês de 2014. Ao mesmo tempo, a receita líquida somou 82,49 bilhões de reais, declínio de 3,1% na mesma base de comparação.

As despesas de janeiro a setembro somaram 786,64 bilhões de reais a preços correntes, 4% abaixo do verificado no mesmo período do ano passado, em termos reais. No acumulado do ano, a receita líquida foi de 765,71 bilhões de reais, recuo de 4,6% sobre igual etapa de 2014.

Continua após a publicidade

No mês passado, o Tesouro registrou superávit primário de 2,808 bilhões de reais, enquanto a Previdência Social teve saldo negativo de 9,69 bilhões de reais e o Banco Central, déficit de 49,6 milhões de reais.

Esses números vêm em meio a contínuas dificuldades enfrentadas pelo governo para aprovar uma série de medidas no Congresso Nacional consideradas necessárias para o equilíbrio das contas públicas. Dentro deste cenário, e em meio a uma forte recessão, a equipe econômica revisou mais uma vez a projeção para o resultado fiscal deste ano, para déficit primário de cerca de 50 bilhões de reais, sendo que o número pode ser ainda maior no caso de frustração de receitas e com a contabilização das chamadas “pedaladas fiscais”.

Leia também:

Não dá para começar o ano como a Grécia, diz Levy sobre orçamento de 2016

Déficit em 2015 será de R$ 51,8 bi; governo reconhecerá ‘pedaladas’

Dinheiro do BNDES vai pagar ‘pedaladas fiscais’

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.