Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Construtoras negam prática de trabalho escravo

"Lista suja" do Ministério do Trabalho e Emprego relaciona Tenda e PDG Realty entre as empresas que utilizam mão-de-obra escrava

A construtora Tenda, divisão da Gafisa, e a incorporadora PDG Realty negaram envolvimento com trabalho escravo, após o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) listá-las entre empregadores que utilizam mão-de-obra em condições análogas à escravidão. O MTE divulgou na quarta-feira a última atualização do Cadastro de Empregadores nesta situação, com o total de 609 nomes, entre pessoas físicas e jurídicas. A “lista suja” do MTE, que é revisada a cada seis meses, contou com a inclusão de 91 companhias e a exclusão de 48 empregadores.

Leia também:

Zara lança ‘selo de procedência’ na véspera de CPI do Trabalho Escravo

Zara admite que havia trabalho escravo em sua cadeia produtiva

Três anos depois, MPF denuncia fornecedores da Zara por trabalho escravo

Tenda – A Tenda informou na noite da última quinta-feira que está apurando as razões que levaram à inclusão de uma filial e uma subsidiária na lista do MTE. A construtora é mencionada duas vezes no relatório, por uma obra residencial em Juiz de Fora e um canteiro de obras em Belo Horizonte, Minas Gerais. “A companhia está apurando as razões específicas que levaram à sua inclusão no Cadastro, mas desde já afirma que os valores e princípios da Tenda são incompatíveis com práticas irregulares trabalhistas.” A empresa afirmou que se posiciona de maneira sólida e veemente contra qualquer prática que desrespeite os direitos trabalhistas e acrescentou que está tomando todas as medidas e ações cabíveis para promover a exclusão do seu nome do Cadastro.

Leia ainda:

Embraforte é acusada de trabalho análogo à escravidão

MRV é condenada a pagar R$ 6,7 milhões por trabalho escravo

PDG Realty – A PDG Realty também negou que mantenha trabalhadores em condições análogas à de escravidão. A empresa foi incluída na “lista suja” por conta de um empreendimento residencial em Juiz de Fora, Minas Gerais. “A empresa esclarece que não mantém qualquer trabalhador em condição análoga a escravidão em seus canteiros de obras. Os motivos da inclusão de um de seus empreendimentos na lista do MTE estão sendo devidamente apurados”, afirmou a PDG em comunicado divulgado pela assessoria de imprensa. “A companhia reitera o seu compromisso com o cumprimento da legislação trabalhista e sobretudo o respeito a dignidade dos seus trabalhadores”, completou. Para acessar a lista completa dos empregadores envolvidos em denúncias de trabalho escravo, clique aqui.

(com agência Reuters e Estadão Conteúdo)