Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Conselheiro de Dilma assina manifesto contra ação do BC

Luiz Gonzaga Belluzzo é o primeiro simpatizante do PT que endossou o manifesto favorável ao ex-diretor do BC Alexandre Schwartsman. Entidade queria processá-lo por críticas contra a condução da política monetária

Por Ana Clara Costa 9 set 2014, 13h08

O economista Luiz Gonzaga Belluzzo, conselheiro econômico tanto de Lula quanto da presidente Dilma Rousseff, assinou nesta terça-feira o manifesto redigido por economistas em favor do ex-diretor do Banco Central Alexandre Schwartsman. O manifesto foi publicado em forma de petição on-line na noite de segunda-feira e já conta com mais de mil assinaturas.

Economistas se mobilizaram em favor de Schwartsman depois que Reportagem de VEJA revelou como a instituição se movimentou para levar à Justiça o economista depois que ele desferiu críticas contra a condução da política monetária em entrevistas à imprensa. “A intolerância com a divergência e com a crítica ácida e o recurso da máquina pública para suprimir o contraditório (…) configuram uma prática incompatível com os valores que uma democracia deve ter e cultivar”, relata o manifesto.

De acordo com informações do blog Radar On-line, a entidade monetária desistiu do processo e decidiu não recorrer da decisão em primeira instância pela Justiça Federal, em favor de Schwartsman.

Leia mais:

Ação contra Schwartsman é incompatível com democracia, dizem economistas em manifesto

VEJA Mercados: Os crimes de opinião e o ‘padrão Conceição’

A lista de economistas conta com os nomes mais graduados da academia e do mercado: Claudio Haddad, Marcos Lisboa, Affonso Pastore, Elena Landau, Luiz Fernando Figueiredo, Gustavo Franco, José Roberto Mendonça de Barros e José Roberto Afonso. Também assinaram seis representantes de equipes econômicas de presidenciáveis: André Lara Resende, Eduardo Giannetti da Fonseca e Alexandre Rands, que estão com Marina Silva (PSB); e Armínio Fraga, Mansueto de Almeida e Samuel Pessôa, do grupo de Aécio Neves (PSDB). Contudo, até a assinatura de Belluzzo, nenhum simpatizante do PT havia endossado o manifesto.

Continua após a publicidade
Publicidade