Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Conheça os detalhes do novo acordo de resgate da Grécia

Por Da Redação
13 jul 2015, 19h25

Depois de uma série de reuniões realizadas nas últimas semanas, a Grécia finalmente chegou a um acordo com os seus credores para contornar a crise financeira do país. Os detalhes do acordo, que foram longamente debatidos por líderes de 19 países da zona do euro entre a noite de domingo e a manhã desta segunda-feira, tratam da necessidade de implantação de diversas medidas de austeridade, como privatizações, aumento de impostos e reformas no mercado de trabalho e no sistema previdenciário.

Algumas das medidas, inclusive, foram refutadas pelo povo grego no referendo realizado no dia 5 de julho. Apesar de ter alardeado que sairia fortalecido com a vitória do “não” no plebiscito, o primeiro-ministro, Alexis Tsipras, se viu obrigado a arredar o pé e aceitar as duras condições propostas pelos credores para liberação de um pacote de socorro que pode chegar a 86 bilhões de euros.

Leia também:

Os números da crise grega

Continua após a publicidade

Com uma dívida de mais de 170% do PIB, o governo grego corre o risco de não ter recursos para bancar o funcionamento do Estado sem o auxílio financeiro. Os bancos já estão fechados há duas semanas e devem continuar nos próximos dias até que o dinheiro do Banco Central Europeu seja injetado no sistema bancário grego. As medidas, que ainda devem ser apreciadas pelo Legislativo grego até esta quarta-feira, devem deprimir ainda mais a economia do país, que recuou quase 25% nos últimos 5 anos e cuja taxa de desemprego chega a 26%.

Eleito com o slogan anti-austeridade no início do ano, Tsipras já encontra resistência do próprio partido, o Syriza, para conseguir aprovar o plano. Ministros de seu governo e correligionários chegaram a dizer que o acordo firmado “humilha” a Grécia e a coloca como uma “colônia da dívida de uma Europa supervisionada pela Alemanha”.

Os detalhes do acordo foram divulgados no início da tarde. Confira os principais pontos do documento:

FMI – O Eurogrupo condiciona a concessão de um empréstimo via MEE (Mecanismo Europeu de Estabilidade) a um acordo prévio com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Em moratória com o fundo desde a semana retrasada, o governo grego havia insistido que não queria o FMI como parceiro no novo plano. “Portanto, a Grécia solicitará apoio continuado do FMI (monitoração e financiamento), a partir de março de 2016”, diz o texto.

Continua após a publicidade

Previdência – Fazer uma reforma ampla no sistema de aposentadorias e pensões, visando torná-los viáveis. O texto ainda define que essas medidas devem ser aprovadas até esta quarta-feira.

Aumento de tributos – Implementar mecanismos de “alargamento da base tributária” a fim de expandir a receita. O texto também fala em desburocratizar alguns sistemas tributários, como o IVA (imposto sobre o valor agregado).

Privatizações – Segundo o documento, o governo deverá desenvolver um programa de privatizações, que consiga levantar 50 bilhões de euros com a venda de ativos. Esse montante deverá ser transferido para um fundo independente. Do valor, 25 bilhões de euros serão usados para recapitalizar os bancos; 13,2 bilhões de euros, para reduzir a dívida do país; e os outros 13,2 bilhões de euros serão repassados para investimentos. O fundo será sediado na Grécia e não em Luxemburgo, como havia proposto a Alemanha. Apesar disso, ele contará com a supervisão de “instuições europeias relevantes”.

A operadora da rede nacional de transmissão de energia também deve ser privatizada, “a menos que medidas de substituição possam ser identificadas que tenham efeito semelhante sobre a concorrência”, conforme o texto.

Continua após a publicidade

Mercado de trabalho – O acordo destaca a necessidade de “revisões rigorosas e uma modernização” das relações de trabalho. O objetivo é que, com as mudanças, as políticas trabalhistas se alinhem às “melhores práticas europeias e profissionais” e se distanciem do formato anterior que “não são compatíveis com as metas de promoção de crescimento sustentável e inclusivo”.

Independência – O Eurogrupo exige medidas para melhorar a governança do Fundo de Estabilidade Financeira da Grécia e a eliminação de “qualquer possibilidade de interferência política” sobre os bancos.

Transparência – O texto exige uma reforma do escritório de estatísticas (Elstat), sob suspeita de manipulação de dados do país. A entidade se assemelha ao que é o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística no Brasil (IBGE) no Brasil.

Recuperar a confiança – Os países da zona do euro reforçam a “necessidade crucial de reconstruir a confiança com as autoridades gregas como pré-requisito” para a Grécia conseguir ajuda financeira. “A Comissão Europeia recebe positivamente os compromissos das autoridades gregas de propor ao Parlamento, sem delongas, um primeiro conjunto de medidas”, informa o documento.

Continua após a publicidade

Reduzir a máquina pública – De acordo com o texto, o governo grego assumiu o compromisso de reduzir “ainda mais” os custos de administração do país. A primeira proposta nesse sentido deve ser apresentada até o dia 20 de julho.

Revisar leis – O texto prevê que o governo reavalie as leis aprovadas antes de fevereiro deste ano que resultaram “em abandono de compromissos anteriores” quanto ao controle fiscal. Além disso, os credores pedem a “modernização e a despolitização” da administração grega.

Consideração – No texto, o governo grego é apontado como o culpado pela insolvência da dívida grega. “Isso se deve ao relaxamento de políticas nos últimos 12 meses, que resultou na recente deterioração do ambiente financeiro e macroeconômica grego”, explica o documento. Por fim, os países da zona do euro ainda fizeram uma constatação de que, se o acordo não sair do papel, a responsabilidade será toda da Grécia.

Leia mais:

Mesmo com acordo, bancos gregos continuarão fechados

Bolsas europeias fecham em alta influenciadas por acordo entre Grécia e credores

(Da redação)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.