Clique e assine a partir de 8,90/mês

Confiança do consumidor é a maior desde janeiro de 2015, diz FGV

Indicador medido pela FGV tem quinta alta consecutiva e segue em recuperação após queda histórica em abril

Por Da redação - Atualizado em 27 set 2016, 16h58 - Publicado em 27 set 2016, 08h10

A confiança do consumidor voltou a subir em setembro e atingiu o maior valor desde janeiro de 2015. O índice medido pela da Fundação Getulio Vargas (FGV) teve alta de 1,3 ponto percentual e atingiu 80,6 pontos. Esta é a quinta alta seguida do indicador, que registrou seu menor valor em abril deste ano. Os indicadores de confiança são monitorados por agentes do mercado e pelo governo como forma de antecipar o início do processo de recuperação da economia, que atravessa uma forte recessão.

Para a coordenadora da pesquisa da FGV, Viviane Seda Bittencourt, a alta na confiança está sustentada mais na esperança de uma situação futura melhor do que na satisfação com o momento atual, o que afeta seu comportamento. “Mesmo após seis meses de melhora gradual das expectativas, a demora para que ocorra uma efetiva recuperação do mercado de trabalho ou da situação financeira das famílias vem levando à sustentação de uma postura cautelosa por parte do consumidor”, avalia.

Leia também:
Cinco medidas para tomar antes de comprar um carro usado
Conteúdo local traz sobrepreço inviável à Petrobras, diz Parente

Em relação às expectativas do mercado, a mudança mais visível nesta semana foi a queda nas projeções para a inflação neste ano. De acordo com o Boletim Focus desta segunda-feira, divulgado pelo Banco Central, os economistas consultados pela instituição apostam numa alta menor dos quatro indicadores que medem o aumento dos preços.

A previsão para o IPCA, índice oficial do país, para o final deste ano passou de 7,34% para 7,25%. A meta para 2016 é de 4,5%, com margem de tolerância de dois pontos. A mudança na expectativa ocorre após a divulgação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) do mês de setembro, que é considerado uma prévia do IPCA, na última quinta-feira. O indicador registrou 0,23%, o que representou uma desaceleração ante o 0,45% medido em agosto.

Continua após a publicidade
Publicidade